Em vez de Pote, o Sporting tinha Jardel.

Em vez dos 18 golos do português (que ainda luta com Seferovic pela título de melhor marcador – o suíço tem os mesmos 18), em 2002 o brasileiro arrasava a concorrência com 42 golos.

Não só a concorrência direta – Derlei (Leiria) foi o segundo melhor com 21 golos.

«Eles diziam entre eles quer era impossível perder o campeonato comigo. Sabiam que eu metia a bola lá dentro» Jardel

 

Bota de Ouro

Esses 42 golos de Super Mário valeram a Bota de Ouro a Mário Jardel, que o conferia como o melhor marcador de todos os campeonatos europeus.

E a nível interno, ultrapassou Peyroteu (41), igualou Eusébio (42) e só ficou atrás de Yazalde (46).

 

O que é que Rúben Amorim tem? Afinal, tem mesmo tudo

 

Se agora Paulinho é o ponta-de-lança apoiado por Pote e Nuno Santos (ou Jovane), em 2002 a santa trindade (nome que Bölöni atribuiu no seu célebre Bloco de Notas ao trio atacante) era  composta por João Vieira Pinto e Niculae.

Duas formas distintas de vencer:

  • Bölöni privilegiou o ataque (74 golos, mais 21 que o segundo classificado o Boavista)
  • Amorim optou pela defesa (15 golos sofridos, metade que os 29 do segundo Porto)