Pelé faz 80 anos e continua bem sentado no trono de Rei.

Na sua “imodéstia absoluta”, citando o dramaturgo brasileiro Nelson Rodrigues, Pelé tem a certeza de ser superior a todos os outros.

Tostão explica por que é que Pelé é o Rei. O extremo que jogou com Pelé no Mundial de 1966 e 1970 diz que ele tinha “ao mais alto nível todas as qualidades técnicas, físicas e emocionais”.

  • 1380 jogos
  • 1284 golos
  • 0,93 golos por jogo

Perfeito portanto, escreve Tostão, colunista num texto a que perguntou se “A perfeição existe?”.

Existe sim, respondemos nós. É Pelé em campo.

José Miguel Wisni vai ao pormenor de nos exemplificar esta perfeição no seu livro “Veneno Remédio: o futebol e o Brasil”.

“Pelé parece funcionar em uma frequência diferente da dos demais jogadores, como se ele tivesse mais tempo para pensar e ver o que se passa, assistindo, em câmera lenta, ao mesmo jogo do qual está participando, em altíssima velocidade, enquanto os outros, em torno dele, parecem estar assistindo ao jogo em altíssima velocidade e jogando em câmera lenta”

Quem mais se não Pelé se pode dar ao luxo de não querer marcar um golo para deixar que o golo 1000 fosse no Maracanã (história nunca confirmada por Pelé claro)?

 

O golo mil de Pelé tem meio século

 

Até os guarda-redes ficaram famosos 

Pelé é tão Rei que para a história ficaram também os guarda-redes que sofreram o primeiro golo e o milésimo golo do camisola 10 do Santos.

O primeiro foi Zaluar Torres Rodrigues, no dia 7 de setembro de 1956.

Num jogo particular entre o Corinthians e o Santos em Santo André, Edson Arantes do Nascimento marcou o sexto golo do Santos na goelada 7-1. Pelé tinha 15 anos quando apontou o primeiro golo como profissional.

O guarda-redes Zaluar entrou durante a partida para substituir Antoninho e sem saber entrou para a história. Tornou-se o primeiro a ser batido por Pelé (que honra) – dois anos depois Pelé levaria o Brasil a vencer o Mundial da Suécia (sim, tinha 17 anos).

Pouco mais de dez anos passados desse primeiro golo, Andrada, do Vasco da Gama, sofreu o golo mil do Rei,no memorável dia 19 de novembro de 1969.

No final da carreira somou 1282 golos (não conseguimos saber os nomes de todos os guarda-redes que os sofreram).

Até a melhor defesa foi graças a Pelé. Foi Gordon Banks que a fez no Mundial de 1966 e teve de viver toda a vida a justificá-la.

 

A defesa que a física definiu como indefensável

 

E títulos?

Ahah: não há ninguém tão rei como ele – é o único na história tricampeão mundial por seleções.

Estamos a falar dos Mundiais de 1958, 1962 e 1970.

Há mais: campeão estadual logo naquele ano de estreia em 1956, Pelé repetiria a conquista do Campeonato Paulista em 1958, 1960, 1961, 1962, 1964, 1965, 1967, 1968, 1969 e 1973.

Pelo Santos conquistou ainda 4 edições do Torneio Rio-São Paulo (1959, 1963, 1964 e 1966).

Pelé também venceu cinco vezes a Taça Brasil (1961, 1962, 1963, 1964 e 1965), além de ter vencido duas vezes a Libertadores e a Taça Intercontinental, batendo os então campeões europeus Benfica em 1962 e Milan em 1963.

Portanto Pelé fez tudo enquanto futebolista. E só um Rei faz isso.

Em resumo:

Foi campeão do mundo pelo Brasil 3 vezes (Suécia, Chile e México), parou uma guerra em África, venceu 6 campeonatos e 2 Taças Intercontinentais pelo Santos, fez uma cueca a Eusébio, casou 3 vezes, teve 7 filhos e namorou com Xuxa. No golo 1000 da carreira o jogo foi interrompido para dar uma entrevista.