Marcaram os Lakers e os Celtics durante os 80 e 90. Em 1979 fizeram história na final da NCAA – até hoje o jogo universitário mais visto de sempre com 35 milhões de espectadores – e deram início a uma das maiores rivalidades de sempre na NBA.

No dia 26 de Março, em 1979, a final do torneio de basquetebol universitário dos Estados Unidos (NCAA), viria a fazer crescer a rivalidade que para sempre mudou o rumo do basquetebol.

 

 

O jogo da final da NCAA, disputado em Salt Lake City, opôs as equipas de Michigan State e de Indiana State, outrora pouco relevantes no panorama do basquetebol universitário americano, até à chegada de Larry Bird e Magic Johnson, que acabariam por transformar não só o sucesso das suas equipas universitárias, como também o basquetebol profissional na NBA e nos dois maiores franchises da história: os L.A Lakers e os Boston Celtics.

Earvin Johnson, conhecido no mundo do basquetebol como simplesmente Magic Johnson vestia a cor verde e branca da equipa da universidade da sua terra natal de Michigan – a Michigan State. Uma promessa do basquetebol mesmo antes dos tempos do liceu, teve várias ofertas para ir para universidades mais prestigiadas, tendo no final de contas optado por ficar mais próximo de casa.

No ano anterior a Magic chegar a Michigan State, a equipa dos Spartans tinha somado um registo de 10-17. Na época em que Magic chegou (1977-78) a equipa alcançou um registo de 25-5, foi campeã da conferência Big Ten e chegou à Elite Eight da NCAA.

 

 

À semelhança de Magic Johnson, também Larry Bird era um estudante de ensino secundário altamente perseguido pelas melhores universidades do país. Decide primeiro ir para a Universidade de Indiana – casa dos Hoosiers – com bolsa de estudo e a jogar para o histórico treinador universitário Bob Knight. Habituado à ruralidade de French Lick, Larry Bird não se ambientou ao ritmo da cidade de Bloomington, desiste, e volta para casa menos de 1 mês depois de ter entrado.

Depois de um ano a trabalhar para a câmara a fazer de tudo um pouco, desde cortar relva, a apanhar lixo e pintar bancos de jardim, parte para outra universidade de Indiana, mais pequena, a Indiana State, mais adequada às suas preferências.

Por ter mudado de universidade não joga na primeira época (1975-76). Indiana State que nesse ano não tinha ido além do registo de 13-12 e 12-14 no ano anterior, na época em que Larry começa a jogar, o registo ascende aos 25-3. Bird deixa Indiana State ao fim de 3 anos e com um registo total de 81-13.

 

 

Naquela final da NCAA de 1979, Magic Johnson estava na sua segunda época ao serviço de Michigan State e viria a ser seleccionado na 1ª escolha do draft desse ano para os L.A Lakers, juntando-se a Kareem Abdul-Jabbar. Já Bird, tinha sido seleccionado pelos Boston Celtics como a 6ª escolha no draft do ano anterior e decidiu jogar por Indiana State por mais um ano.

À entrada para a derradeira final, Indiana State vinha com um registo imbatível de 33 vitórias, impulsionada pelos desempenhos de Larry Bird. Já Michigan State com um registo menos polido, somava 25 vitórias e 6 derrotas.

Larry Bird e Magic Johnson eram também já tema de debate nacional. Dois jogadores provenientes de meios pouco privilegiados que apareceram do nada e levaram as respectivas equipas àquela final.

A história escrita para esse jogo foi exactamente sobre eles os dois: os melhores jogadores universitários que se enfrentavam no derradeiro jogo da final, era sobre Magic Johnson vs Larry Bird e não Michigan State vs Indiana State.

 

 

O jogo viria a terminar 75-64 a favor de Michigan State. Larry Bird esteve apagado nesse encontro – embora tenha ganho o prémio de melhor jogador do ano – e Magic Johnson, o vitorioso, foi também eleito o melhor jogador da Final Four.

Para Bird esse foi o único jogo que nunca conseguiu ultrapassar. “It’s the one thing I’ll never get over”, disse.

 

 

 

A ânsia da NBA em revitalizar um desporto que estava morto, encontrou na rivalidade Magic Johnson vs Larry Bird, trazida da universidade, a oportunidade perfeita para fazer crescer a popularidade.

Os dois foram também para as equipas com o palmarés mais recheado da NBA, os Celtics e os Lakers, uma do Este outra do Oeste – a tempestade perfeita – e a NBA durante os anos 80 e 90 foi completamente retirada dos escombros e trazida de volta à ribalta.

Os Lakers foram campeões no ano de rookie de Magic Johnson e os Celtics de Larry Bird no ano seguinte. A década de 80 foi praticamente toda dedicada a Lakers e Celtics e a Bird e Magic, até à explosão de Michael Jordan.

Bird é mvp 3 anos consecutivos, de 1983 a 1986, e Magic em 1987 e duas vezes consecutivas em 1989 e 1990. Lakers e Celtics enfrentaram-se em 3 finais e juntos venceram 8 títulos em 10 anos.

1980 – Lakers
1981 – Celtics
1982 – Lakers
1983 – 76ers
1984 – Celtics (vs Lakers)
1985 – Lakers (vs Celtics)
1986 – Celtics
1987 – Lakers (vs Celtics)
1988 – Lakers
1989 – Pistons

Embora os dois tivessem sido colocados no epicentro de uma rivalidade por vezes estereotipada por questões raciais, onde Bird era visto como um jogador mais cerebral e trabalhador – inserido numa equipa dos Celtics também primordialmente branca – e Magic como possuidor de um talento inato e um basquetebol de rua, mais vistoso – e nuns Lakers constituídos quase somente por negros -, os dois sempre se mantiveram longe de confusões.

Embora essas visões mais distorcidas da realidade existissem, os dois jogadores reuniam semelhanças evidentes: a nível físico tinham os dois 2,06m e tecnicamente tinham no passe uma das suas principais armas.

 

 

A história dos dois começou a ser contada naquele dia 26 de Março de 1979 na final da NCAA. Até hoje é o jogo de basquetebol universitário mais visto de sempre com 35,11 milhões de espectadores.

A rivalidade pode ser revisitada no documentário da HBO “Magic & Bird: A Courtship of Rivals”.