Nunca um desgosto deu lugar a um amor tão grande.

Aos 64 minutos do jogo da primeira mão dos quartos de final da Liga dos Campeões (já com o jogo em 0-1 para o Real graças a um golo de Ronaldo aos 3 minutos) CR pintou a sua maior obra-prima (segundo o próprio).

Como é que o fez?

Elevou a sua perna esquerda à altura da cabeça de Mattia De Sciglio (encostado a Andrea Barzagli) e num repente baixou-a para subir a perna direita – o remate em bicicleta levou a bola a cair no canto da baliza de Buffon.

Dybala e Lucas Vásquez seguiam o lance de perto, como espectadores privilegiados.

O que se seguiu foi uma ovação dos adeptos da Juventus.

 

https://twitter.com/diarioas/status/1246017347531542528?s=09

Foi o décimo jogo do português a marcar, ajudando à primeira vitória do Real em Turim em 54 anos.

Mas a coisa não se ficaria por aqui.

O Real faria 0-3 e deixava a as meias-fianis praticamente ali à mão de semear. Mas não foi bem assim.

No jogo em Madrid os italianos chegaram ao 0-3 e igualaram a eliminatória. E seria outra vez Ronaldo a tirar de vez as esperanças à Juve – com um golo salvador aos 90+7. Com 1-3 passaram os espanhóis.

O resto já se sabe.

O Real passou o Bayern nas meias-finais (1-2 em Munique e 2-2 em Madrid) e venceu o Liverpool na final 3-1. Foi a quinta Champions para a coleção de CR.