Há uma semana Messi fez 33 anos. E há 862 jogos (há 15 anos portanto) fazia o seu primeiro golo, ao Albacete.

Agora, Lionel Messi tornou-se o segundo jogador em atividade a alcançar os 700 golos oficiais. O outro é… Cristiano Ronaldo.

O português, mais velho dois anos, chegou aos 700 em outubro do ano passado, na derrota de Portugal com a Ucrânia por 2-1. Tinha 34 anos e 976 partidas disputadas. Ou seja: Messi precisou de 114 jogos a menos para marcar a mesma quantidade de golos.

Messi tem uma média de 0,81 golos por jogo, um pouco melhor que a média de 0,71 de Ronaldo – o protuguês tem 728 golos em 1007 jogos na carreira.

 

Em câmara lenta

Foi tudo lento. Tão lento que quase dava tempo a Oblak de se levantar e agarrar a bola. Só que foi tão genial que o guarda-redes do Atlético nem se mexeu.

Foi assim o golo 700 de Messi. Como tinha sido (quase) assim o golo 600 do argentino: ao mesmo guarda-redes esloveno do Atlético e com a mesma classe – só que em vez de penálti foi de livre de fora da área.

001 — Albacete (2005)
100 — Dínamo Kiev (2009)
200 — Real Madrid (2011)
300 — Rayo Vallecano (2012)
400 — Granada (2014)
500 — Valência (2016)
600 — Atlético de Madrid (2018)
700 — Atlético de Madrid (2020)

Mas esta lentidão deu cabo do Barcelona.

Messi estava tão obcecado em marcar o 700º golo que ficou em branco durante três partidas – e com isso o Barcelona foi ultrapassado pelo Real Madrid e é quase campeão.

Se não tivesse marcado contra o Atlético Messi igualaria o seu maior jejum: 4 jogos sem marcar só na temporada 2013-14.

 

 

Com esta coisa toda do golo 700, o Barça empatou 2-2 com o Atlético – foi o terceiro empate nos últimos 4 jogos. Adiós La Liga.

vs Sevilha 0-0
vs Athletic Biblau 1-0 
vs Celta de Vigo 2-2
vs Atlético de Madrid 2-2

 

Benzema e um calcanhar daqueles (que pode valer o título)

 

Pronto, mas já está.

Dos 700 golos na carreira:

  • 630 foram pelo Barcelona
  • 70 pela Argentina
  • (destes na seleção 34 foram em particulares)
  • no campeonato foram 666 golos