Lukaku fez duas coisas que irritam Ronaldo: marcar e deixar o Inter na liderança isolada da Série A.

O belga marcou no dérbi ao Milan e ultrapassou Ronaldo nos melhores marcadores: ficou com 17 e deixou o português com 16.

 

Adeus, Milan. Foi bom enquanto durou

 

Claro que Cristiano Ronaldo respondeu: marcou 2 golos na vitória 3-0 sobre o Crotone para pôr o seu nome na frente dos goleadores com 18 golos.

  • Ronaldo 18
  • Lukaku 17
  • Muriel 14

Com isso deixou a Juventus no terceiro lugar, a 4 do segundo Milan e a 8 do líder Inter – apesar de a Juve ter ainda 1 jogo em atraso por realizar.

  • 1º Inter 53
  • 2º Milan 49
  • 3º Juventus 45 (menos 1 jogo)
  • 4º Roma 44
  • 5º Atalanta 43
  • 6º Lazio 43

Mas não é por isso que estamos aqui – a Juve estar a 8 pontos do primeiro lugar é algo do foro da psicanálise (lembramos que a equipa de Turim venceu os últimos 9 campeonatos).

Ficámos impressionados (mais uma vez) com o golo de Ronaldo – referimo-nos ao segundo, apesar de o primeiro, também de cabeça, não ter sido nada mau.

 

 

Ronaldo já nos disse que o melhor golo que marcou na carreira foi aquele precisamente contra a Juventus (quando ainda jogava no Real Madrid). O-da-bicicleta.

 

O melhor golo de Ronaldo (na opinião do próprio)

 

E também vimos CR voar contra a Sampdoria (já o tinha feito também no Bernabéu contra o Man United, não foi Evra?).

 

Ronaldo esteve quase um segundo no ar

 

O que vimos agora foi outra levitação. Contra o Crotone.

Não só foi dele o remate como também a finalização na recarga – nas alturas.

Expliquemos a foto deste artigo:

  • o medo na cara de Arkadiusz Reca (o adversário no meio da foto) encolhido à espera dos acontecimentos
  • o desespero do central Vladimir Golemic (de braços abertos parece adivinhar o destino daquele voo) e impotente para o travar
  • contrasta com a placidez de Chiesa, companheiro no chão a assistir como testemunha privilegiada
  • e claro a determinação de Ronaldo
  • Ramsey não aparece na foto, mas a assistência foi dele

Tínhamos ficado boquiabertos com a beleza do cabeceamento de Van Persie e com a leveza de Messi na final da Champions frente ao Man United.

Mas I-S-T-O é como ver um jogador com asas. Outra vez.