Aí está ela: a Liga Europa como nunca a vimos.

Dos 8 jogos dos oitavos de final por definir, em 6 deles já se jogou a primeira mão – esses ainda poderão jogar a segunda partida nas suas casas (é o caso de Basileia, Copenhaga, Manchester, Wolverhampton, Leverkusen e Donetsk).

Estamos a falar de:

Eintracht v Basileia 0-3
Başakşehir v Copenhaga 1-0
LASK v Man United 0-5
Olympiacos v Wolverhampton 1-1
Rangers v Bayer Leverkusen 1-3
Wolfsburgo v Shakhtar 1-2

Os outros dois jogos (Inter-Getafe e o Sevilha-Roma) e os quartos de final serão realizados na Alemanha – entre Gelsenkirchen, Duisburgo, Colónia e Düsseldorf.

 

Shakhtar vs Wolfsburgo
Olimpiyskyi National Sports Complex Kiev
Quarta-feira 17h55
2,60 – 3,40 – 2,35

Jogo de elevado recorte tático e técnico na procura pelo apuramento para a fase seguinte. Na Alemanha venceu a equipa de Luís Castro por 2 a 1, mas nem por isso está assegurada a presença na próxima eliminatória.

O plantel do Shakhtar “casa” com as ideias do treinador português. Um estilo que beneficia o talento brasileiro, que recebe bola em zonas de criação com condições para acelerar. Ai chegados, Taison, Patrick e Tete alimentam os movimentos de Junior Morais e a equipa ucraniana torna-se uma máquina de bom futebol e criação fácil.

Do outro lado, Oliver Gasner procurará em primeira instância estabilizar a equipa no 4x3x3 no momento defensivo, para garantida segurança partir para a frente seja em ataque rápido ou em contra ataque.

Em organização terá previsivelmente maiores dificuldades para desembrulhar o Shakhtar não somente pelo espaço que escasseia, mas pelo perfil de jogador e de jogo colectivo, o que desde logo trará vantagem considerável para a equipa de Luís Castro.

O vencedor deverá encontrar o Basel nos quartos de final. A equipa suíça trucidou o Frankfurt na Alemanha (3 a 0) e tudo o que precisa é de confirmar o apuramento no próximo jogo.

 

Inter Milão vs Getafe
Veltins-Arena, Gelsenkirchen
Quarta-feira 20h00
1,71 – 3,30 – 4,85

Gelsenkirchen receberá um confronto de estilos e competências na interessantíssima luta pelo segundo maior título Europeu.

O Inter de Antonio Conte é uma das equipas mais bem definidas e trabalhadas taticamente em solo Europeu e Mundial. O 5xx3x2 transforma-se em 3x5x2 ofensivamente. Skriniar à direita e Bastoni à esquerda, são os centrais que dão inicio ao processo ofensivo, momento em que a equipa de Conte tem movimentos muito bem pensados e padronizados.

Ainda que junte na frente o poderoso fisicamente Lukaku e o incrível Lautaro Martinez, a equipa da cidade de Milan carece ainda de criatividade ofensiva – Algo diferente que fuja à padronização base e identificável por parte dos seus adversários. Perante um adversário que prima pela agressividade do seu jogo, Eriksen e Alexis Sanchez poderão ser os elementos que com Borja Valero desequilibrem entre linhas.

Depois de durante um largo período ser uma das sensações da Liga, o Getafe de Bordalás somou maus resultados no pós pandemia. Quatro derrotas e dois empates nos últimos seis jogos, o 4x4x2 adoptado tem competências defensivas elevadas e ainda beneficia da agressividade de Arambarri e Cucurella na linha média.

Não é uma equipa de tracção ofensiva, mas antes uma equipa capaz de condicionar investidas adversárias e discutir a partida com enorme competitividade.

Daqui se apurará quem defrontará o Leverkusen nos quartos de final

 

Man Utd vs Lask
Old Trafford, Manchester
Quarta-feira 20h00
1,19 – 5,95 – 10,25

Grande favorito à vitória final na Liga Europa, o United receberá o LASK depois da retumbante vitória na Austria por 5 a 0.

Solskjaer deverá aproveitar para dar minutos aos menos utilizados resguardando os mais importantes para o confronto seguinte.

Momento para Lingard e Daniel James surgirem ao redor Ighalo num sistema com três avançados em espaço interior, que com as entradas de Shaw e Dalot pelos corredores laterais formarão um 5×5 contra a Organização Austríaca em ataque posicional.

Embora bem organizado do ponto de vista ofensivo, o LASK está defensivamente ainda bastante preso a referências individuais que se vêem desmontadas pela mobilidade ofensiva e velocidade dos homens da frente dos reds.

Ainda que com eliminatória decidida, a partida de Old Trafford promete animação em forma de muitas oportunidades de golo.

Os “reds” terão nos quartos de final uma partida que ainda não promete testar todo o seu poderio, afinal defrontarão o vencedor do confronto entre os turcos do Basaksehir, a equipa que eliminou o Sporting, e os dinamarqueses do Copenhaga.

A equipa de Demba Ba, Clichy, Inler e do português Miguel Vieira e do cabo verdiano Ponck desloca-se à Dinamarca procurando manter a vantagem de um golo conseguida em casa. Independentemente de conseguir os seus intentos, o caminho do United até à semi final parece escancarado.

 

Sevilha vs Roma
Schauinsland-Reisen-Arena, Duisburgo
Quinta-feira 17h55
2,15 – 3,15 – 3,20

Duelo interessantíssimo numa fase de “mata-mata” na Liga Europa. A somente um confronto, já na Alemanha, Sevilha e Roma discutirão apuramento.

Um Duelo de 4x3x3 e de estilos bem parecidos, assim como individualidades de natureza qualitativa e perfil bem próximos.

Fernando, Jordán, Óliver e Banega são médios capazes de uma grande complementariedade de acções. Do equilíbrio defensivo à capacidade para encontrar espaços para fazer a ligação do primeiro com o último terço, o Sevilha de Lopetegui tem o condão de ter chegada fácil à frente, e lá chegado, a capacidade individual de Lucas Ocampos e de Munir Haddadi, causa sempre problemas à estrutura defensiva adversária.

Do outro lado, a equipa de Paulo Fonseca organiza-se em 4x2x3x1 – Organização diferente no meio campo (2+1) e desdobra-se num 4x4x2 sem bola, que prima não apenas pela grande responsabilidade de todas as linhas – inclusive a ofensiva – em fechar espaços, mas também pelos timings bem percebidos para saltar na pressão, recuperar a posse e atacar.

Com bola, a equipa de Fonseca preocupa-se em criar condições para uma construção limpa, com a particularidade de integrar médio centro sobre o lado exterior de um dos centrais, enquanto projecta lateral, para sair.

Entre linhas, Mkhitaryan pensa e define o jogo, seja com menos espaço ou em situação de procurar rapidamente os homens da frente – Kluivert, Under e Kalinic.

Perspectiva de um jogo de grande ofensividade, chegada, criação e constantes lances de perigo sobre as balizas num dos confortos europeus mais interessantes da época.

O vencedor defrontará o vencedor da eliminatória que opõe o Wolves ao Olympiakos. Para já, a equipa de Nuno leva vantagem.

 

Bayer Leverkusen vs Rangers
BayArena, Leverkusen
Quinta-feira 17h55
1,57 – 3,55 – 4,80

 

O Bayer de Havertz, transformado num “nove” de qualidade mundial, e de Diaby e Bellarabi, desequilibradores em cada lance, com mais ou menos espaço para definir, caminha para a chegada à “fase final” da Liga Europa, depois de ter batido o Rangers na Escócia por 3 a 1, e tem no seu 3x4x3 que se transforma em 5x2x3 defensivamente em espaços altos, e 5x4x1 quando tem de defender o seu primeiro terço, uma fortaleza em Organização Defensiva que lhe permite posteriormente aproveitar os momentos ofensivos de forma equilibrada, e é hoje uma das equipas mais bem trabalhadas a nível Europeu.

Do outro lado o Rangers de Gerrard foi durante um largo período uma das equipas mais atraentes de um novo estilo. Seguiu em frente no grupo do FC Porto e eliminou o Braga na primeira eliminatória pós fase de grupos.

Em 4x3x3 assume o jogo, recorre incessantemente aos apoios frontais dos homens da linha da frente para colocar médios de frente para o jogo e posteriormente acelerar o jogo.

É no momento em que o espaço abre que Morelos, o ponta de lança colombiano mais impacto tem, e embora a eliminatória pareça condenada, o estilo da equipa de Gerrard combinada com a competência colectiva e individual do Leverkusen tem tudo para nos proporcionar um jogo de criação e muita finalização.

Os germânicos deverão confirmar vantagem e defrontar o vencedor do Inter vs Getafe.

 

Wolverhampton vs Olympiacos
Molineux, Wolverhampton
Quinta-feira 20h00
1,62 – 1,55 – 4,90

Duelo entre mestres portugueses, com Nuno Espírito Santo a partir em vantagem depois do 1 a 1 em solo Grego.

A vantagem trazida da Grécia dá um conforto e possibilita sobretudo ao Wolverhampton impor o jogo que tanto gosta – Um jogo de expectativa, organização defensiva e exploração do contra ataque.

Surgirá em 5x3x2, preparado para explorar a velocidade de Adama e o “killer instinct” de Raul Jimenez. A equipa de Nuno fecha-se muito bem em organização, não abre espaços, condiciona entrada da bola na sua organização e é letal no contra ataque, e defrontará um Olympiakos forçado a ir atrás do prejuízo.

A equipa de Pedro Martins surgirá na Grécia no 4x3x3 habitual, capaz de cerrar sem bola num sistema em que os alas baixam para linha média, ficando Fortounis mais próximo do ponta de lança El Arabi, quer para sair a defender construção adversária, quer para receber mais alto nos momentos de saídas ofensivas pós recuperação da posse.

Variação do corredor e progressão dos centrais com bola são marcas de um Olympiakos habituado a assumir a partida, embora a ausência por suspensão de Rúben Semedo seja uma baixa a ter em conta no plano de jogo da equipa grega.

 

PREVISÃO:

Quartos de final

Shakhtar vs Basileia

Bayer Leverkusen vs Inter Milão

Man United vs Basaksehir

Wolverhampton vs Sevilha

 

Meias-finais

Man United vs Sevilha

Inter Milão vs Shakhtar

 

Final

Man United v Inter Milão