Tóquio é a sede dos Jogos Olímpicos de 2020 e tudo está a ser pensado ao pormenor, feito de forma sustentável: reduzir, reciclar e reutilizar.

São estes os valores que vão estar presentes na 32ª edição.

O Verão de 2020 vai estar recheado de competições desportivas que não vamos querer perder. Os Jogos Olímpicos vão decorrer entre 24 de Julho e 9 de Agosto e o Para-Olímpicos entre 25 de Agosto e 6 de Setembro, são esperados milhares e milhares de visitantes para receber os melhores atletas do mundo.

 

 

Tóquio, capital do Japão, conta com mais de 13 milhões de habitantes, sendo que diariamente andam pelas ruas mais de 30 milhões de pessoas, entre estudantes, trabalhadores e muitos, muitos turistas.

Mas desengane-se quem pensa que é uma valente confusão, porque a cidade está concebida para facilitar a vida a todos e o respeito é palavra de ordem por aquelas bandas.

Pelos passeios encontramos faixas destinadas a invisuais de um amarelo berrante livre de obstáculos, com um relevo construído de forma a perceberem se o caminho é em frente, se existe um cruzamento, ou se estão perto da estrada e do perigo dos carros.

Os transportes públicos também são pensados para quem tem mobilidade reduzida, com uma percentagem acima de 70% preparados para receber qualquer tipo de pessoa, sem entraves à sua utilização, isto numa cidade que vai receber os jogos Para-Olímpicos é um detalhe que irá fazer toda a diferença.

 

Toyota Sora, un prototipo de autobús de hidrógeno que llegará en 2018

Publicado por Revista Colectibondi em Quinta-feira, 2 de novembro de 2017

 

A pouco mais de 5 meses do início da competição tudo começa a ganhar forma e feitio para estar pronto a receber os melhores do mundo nas diferentes modalidades.

Vai ser a segunda vez na história que a capital japonesa recebe a competição olímpica, a primeira foi em 1964 e poderia ter sido em 1940, não fosse a Segunda Guerra Mundial e a Segunda Guerra Sino-Japonesa entre a China e o Japão.

 

 

A Vila Olímpica vai ser a casa dos atletas durante a competição, espaço criado de raiz feito com madeiras recicladas e que no fim será novamente desconstruído, sim não vai ser destruído, isto porque os materiais utilizados serão distribuídos pela população com o objectivo de voltarem a ser utilizados.

Outra das particularidades destes jogos é que as 26 mil camas que foram construídas são feitas de cartão e de materiais recicláveis.

De papel, pensam vocês, como assim de papel?

É verdade sim senhor, mas não se preocupem, o descanso dos atletas será de qualidade, que foi tudo devidamente testado, para proporcionar uma excelente experiência a quem lá dormir.

Melhor de tudo, no fim serão entregues a japoneses que vão poder dizer que estão a dormir na mesma cama que os melhores do mundo. Não é para todos.

 

 

 

 

As cerimónias de abertura e de fecho dos jogos vão-se realizar no Estádio Nacional em Shinjuku, que conta com uma pista de atletismo e capacidade para 80 mil pessoas.

Usain Bolt fez as honras da casa.

 

 

 

Estão a ficar curiosos? Nós contamos mais.

O símbolo dos Jogos Olímpicos, a poderosa e emblemática tocha olímpica, foi construída com os alumínios usados nas vivendas temporárias usadas para alojar a população depois do grande terramoto de 2011.

A dia 12 de Março darão início as cerimónias na Grécia e o caminho da tocha começa a ser trilhado, este ano pela primeira vez na história, será uma mulher a dar início.

A grega Anna Korakaki, ganhou a medalha de ouro nos Jogos do Rio em 2016 e foi a escolhida pelo Comité Olímpico da Grécia, e também a sua fatiota é feita com materiais reutilizáveis, mais concretamente garrafas de coca-cola.

 

 

Nesta edição Miraitowa e Someity são as anfitriãs dos jogos e além de poderem ser adquiridas em muitas lojas oficiais vão muito além de serem um peluche fofinho. Serão dois amigáveis robôs com um software instalado e uma câmara incorporada que vai permitir reconhecer os atletas e interagir com eles, através de uns olhos grandalhões cheios de expressões.

As mascotes foram escolhidas por crianças japonesas, e criadas pelo artista Ryo Taniguchi,
os seus nomes foram dados à posteriori, Miraitowa quer dizer futuro e eternidade e Someity é o nome de uma flor. Uma analogia a uns jogos que ficarão para a eternidade?

 

 

View this post on Instagram

✴︎ 雨の日が続いていますね☔️こんな日はミライトワとソメイティもレインウェア姿で登場しています✊雨の日にしか見られない姿なので、見つけたら写真を撮ってみてくださいね!📸✨ ✴︎ Looks like it’s another rainy day.On days like this, Miraitowa and Someity also have their own rain gear prepared.They only wear them on rainy days, so be sure to snap a photo if you happen to see them! ✴︎ #ソメイティ #SOMEITY #ミライトワ #MIRAITOWA #雨がっぱ #レインウェア #かっぱ #二人とも超キュート #長靴も履いています #Tokyo2020 #Tokyo2020ParalympicMascot #東京2020パラリンピックマスコット #Tokyo2020ParalympicGames #東京2020パラリンピック

A post shared by SOMEITY (@someity) on

 

Mas há mais robôs.

Além dos muitos voluntários que vão fazer parte da organização do evento, vários robôs também vão fazer parte do cenário e ajudar quer os atletas quer os tão esperados visitantes.

Teremos amiguinhos artificiais com capacidades para imitar os humanos, responsáveis por sentar os espectadores e ainda levar pequenos snacks, para que ninguém perca pitada do que está a acontecer.

Quem quer um amigo destes lá para casa? Eu quero.

As tão ambicionadas medalhas, sinónimo de sangue, suor e lágrimas, foram feitas com a contribuição dos locais. É verdade sim senhor.

Em primeiro lugar foram pensadas e desenhadas pelo artista Junichi Kawanishi que foi o escolhido entre mais de 400 concorrentes, depois e não menos importante, agradecemos à população que doou mais de 5 de milhões de equipamentos, que serviram para a construção das tão ambicionadas recompensas da prova, telemóveis, tablets, electromésticos tudo contava para dar uma mãozinha.

 

 

 

E onde é que os atletas vão receber as medalhas?

No pódio pois claro, mas também este foi criado com base nas medidas anteriores, feito de plásticos doados pela população e retirados do oceano.

 

 

Sabem aquela máxima de, nada se perde tudo se transforma? É com bases nesses valores que os Jogos Olímpicos estão a ser pensados, mínimo de gastos e máximo de reaproveitamento, alertando o mundo para o desperdício e o consumismo em excesso.

Só nos resta esperar, para ver qual será o resultado final, porque a expectativa é muita, disso não há qualquer dúvida.