Caeleb Dressel era um miúdo nos Jogos do Rio há 5 anos quando ficou atrás do ainda mais miúdo Kyle Chalmers nos 100 metros livres.

Agora o americano com 24 anos respondeu ao australiano de 23 na mesma moeda nos Jogos de Tóquio.

Apenas 6 centésimos separaram os dois – Caleb venceu a prova rainha da natação e sucede aos gigantes Johnny Weismuller, Mark Spitz, Matt Biondi o Alexander Popov.

 

 

Dressel e Chalmers são diferentes: o americano arranca melhor e é mais forte nos primeiros 50 metros; o autraliano tem uma chegada mais eficaz e manda nos restantes 50 metros.

 

Truque ousado

Por isso o nadador da Florida virou à frente e não fez nenhuma respiração nos 16 metros finais até tocar na parede – foi o que lhe deu a medalha de ouro.

Sempre debaixo de água pôde dar as últimas braçadas sem desperdiçar nenhum centésimo e chegar com recorde olímpico 47,02s – e quarta melhor marca de sempre.

O recorde mundial continua a ser do brasileiro César Cielo (46,91 segundos), alcançado a 30 de julho de 2009 nos Mundiais de Roma

O sufiiciente para superar Chalmers, que repetiu o seu melhor tempo de sempre (47,08s) depois de completar os segundos 50 metros em 24,37s.

O russo Kolesnikov tentou acompanhar Dressel desde o início e pagou por esse excesso: virou em segundo mas não conseguiu alcançar o seu recorde europeu que tinha alcançado nas meias-finais.

Levou o bronze com os 47,44s que conseguiu.

 

 

Segundo ouro de Dressel

Para Dressel foi o segundo em Tóquio.

Já tinha ajudado os EUA a vencer os 100 metros livres na estafeta.

Agora ainda lhe restam os 50m livres, os 100m mariposa e os 4x100m estilos.