Foi injusto para a Espanha e justo para Portugal.

A frase não é nossa: é do Rui Jorge.

E o selecionador sabe do que fala.

Houve mais Espanha, princinpalmente na segunda parte, e Portugal com muito menos bola.

Isto não quer dizer nada: Portugal venceu a Espanha 1-0 e está na final do Europeu.

 

 

 

Desequilíbrio

O equilíbrio era total no primeiro tempo. Mas tudo mudou.

Portugal voltou desconcentrado do intervalo e permitiu SEIS oportunidades de golo nos primeiros 25 minutos da segunda parte.

 

 

A mais perigosa foi de Cucurella que atirou a bola em cheio no poste direito da baliza de Diogo Costa, logo aos 46.

Rui Jorge ainda mexeu, passou do 4x4x2 losango para o 4x3x3 e deu mais força ao meio-campo com Florentino e Romário Baró – apostando no irrequieto Tiago Tomás.

 

Eficácia e autogolo

Mesmo assim a Espanha continuou por cima.

Até ao contra-ataque letal e ao autogolo ainda mais letal.

Portugal começou a contra-atacar mais e foi uma jogada rápida entre Vítor Ferreira e Fábio Vieira que Cuenca desviou um cruzamento para a própria baliza e fez um chapéu ao guarda-redes.

 

 

Alemanha na final

Na final, Portugal vai encontrar a Alemanha.

Os alemães derrotaram a holanda 2-1.

 

 

Com o triunfo sobre os holandeses atingem a terceira final seguida do Europeu.

Venceram a primeira à Espanha em 2017 e perderam a última em 2019… contra a Espanha.

 

E agora?

É a terceira vez que os portugueses atingem a final, depois de duas derrotas no jogo decisivo em 1994 e 2015.

É desta?