Era imperdível e por isso os espectadores puderam ficar até ao fim no court Philippe Chatrier para ver a meia-final de Roland Garros entre Nadal e Djokovic.

Às 22h40 horas locais, após o terceiro set, seria preciso esvaziar a arena (com 65% da sua lotação permitida) para respeitar o recolher imposto na capital francesa devido à pandemia.

Os milhares de espectadores e fãs empolgados preparavam-se para protestar contra a ordem quando foi anunciado pelos altifalantes que a organização tinha chegado a um acordo com as autoridades que permitia ao permanecer até ao final do encontro – devido ao “caráter absolutamente excepcional das circunstâncias”

Estávamos perante um dos duelos mais emblemáticos da história do ténis. E houve de tudo.

Mudanças abruptas no marcador, grandes momentos de ténis e até uma inesperada mudança de decisão governamental devido ao cariz do encontro.

Novak Djokovic venceu Rafael Nadal com uma reviravolta épica nas meias-finais do Grand Slam de Paris: 3/6, 6/3, 7/6 e 6/2.

 

 

Na final, o sérvio vai enfrentar Stefanos Tsitsipas, que bateu Alexander Zverev em 5 sets.

Djokovic tenta o segundo troféu no torneio. O grego jogará a sua primeira final.

 

Terceira derrota de Nadal

Foi apenas a terceira derrota de Nadal em Roland Garros.

O espanhol é dono de 13 títulos em Paris – 20 no total em Grand Slams (recorde masculino ao lado de Roger Federer).

Antes deste desaire para Djokovic, El Toro tinha apenas cedido para

  • o sueco Robin Soderling, nos oitavos-de-final em 2009
  • e para o próprio sérvio, nos quartos-de-final em 2015
  • em 2016 dessitiu na terceira ronda devido a lesão

Em todas as outras participações desde 2005 saiu vencedor.

 

58º duelo Djokovic-Nadal

Foi a 58ª vez que Nadal e Djokovic se defrontaram.

É o maior número de confrontos no circuito masculino.

Durou 4 horas e 11 minutos dois dos melhores tenistas de sempre.

 

30ª vitória para Djokovic

Para chegar à 30ª vitória sobre Nadal, o número 1 do mundo impôs-se no território do espanhol.

Perdeu o primeiro set – Nadal dispôs de 7 set points – mas o sérvio foi crescendo ao logo da partida.

A montanha-russa levava a crer que qualquer um poderia levar a melhor no tiebreak e foi Djokovic, superior nos detalhes durante a maior parte do jogo, que se mostrou mais forte.

 

 

No quarto set, Djokovic tomou as rédeas do jogo para fechar com 6/2 contra um espanhol já abatido.

“O maior jogo que já joguei aqui em Paris. Também o melhor jogo com o melhor ambiente para os dois jogadores. Para vencer o Rafa aqui temos que jogar o nosso melhor ténis, e esta noite eu joguei meu melhor ténis» Djokovic

Nadal parecia trsite mas não abatido.

E prometeu voltar.

«Não é um momento para ficar satisfeito. Mas não é um momento para criar drama. Podemos ficar entre as duas coisas» NAdal