Djokovic virou tudo.

Virou o Lorenzo Musetti nos oitavos-de-final, depois de o italiano abrir com duplo 7-6 no tie-break.

Virou Nadal numa meia-final épica depois de ter estado a perder por 2 sets.

E virou Tsitsipas na final depois de ter outra vez 2 sets de desvantagem.

 

Foi tão bom que Paris suspendeu as restrições para ver Nadal-Djokovic

 

Podia ser mais fácil? Podia, mas não ia saber tão bem.

O grego de 22 anos abriu uma vantagem com um jogo muito sólido na sua primeira final de um Grand Slam, mas o sérvio engatou uma reação que só parou no último ponto do quinto set.

O encontro fehcou com 6/7, 2/6, 6/3, 6/2 e 6/4, depois de 4 horas e 11 minutos (o mesmo tempo que o sérvio precisou para eliminar o espanhol na partida anterior).

 

 

 

19º Grand Slam

Com a conquista do 19º Slam na carreira, Djokovic chega perto do recorde masculino de 20 títulos – pertencente a Rafa Nadal e Roger Federer.

Vencedor do Open da Austrália em fevereiro Djokovic pode em Wimbledon juntar-se ao espanhol e ao suíço nesse restrito lote.

 

Djokovic recupera 2 sets, faz ponto no chão, Musetti desiste

 

Recorde de Djokovic

O sérvio tornou-se o primeiro homem a acumular pelo menos dois títulos de cada Grand Slam na era profissional (iniciada em 1968).

Roland Garros sempre foi o evento mais difícil para o sérvio: acumulou 4 derrotas em finais.

Mesmo quando bateu Nadal pela primeira vez em Paris, nos quartos-de-final de 2015, acabou derrotado pelo suíço Stan Wawrinka na final.

O primeiro título em Garros apareceu em 2016, obtido com um triunfo na final sobre o britânico Andy Murray.

 

Uma campeã inédita pela 6ª vez seguida

 

«Foi novamente uma atmosfera elétrica. Nove horas de ténis em menos de 48 horas. Física e mentalmente foram muito, muito difíceis estes três dias. Eu acreditei nas minhas capacidades e no meu jogo. É um sonho que se tornou realidade» Djokovic

Tsitsipas nunca desarmou. Foi Djokovic que esteve muito forte.

Foi aos balenários e voltou com um nov chip.

E arrumou a final em 3 sets: 6/3, 6/2, 6/4.

A partida foi de alto nível com muitos mais winners (56 de Djokovic e 61 de Tsitsipas) do que erros não forçados (41 e 44).

«Apesar da minha derrota hoje, tenho fé no meu jogo. Com a mesma atitude, se eu não me esconder, não há razão para não erguer o troféu um dia. O que aprendi hoje é que, não importa o que aconteça, para que a partida acabe, tem que se vencer os três sets e não dois» tsitsipas