“O Barcelona não compra jogadores normais” (nem dirigentes, já agora).

A frase é de Pep Guardiola, treinador do Manchester City, mas que continua bem coladinho ao seu clube do coração.

Disse isto a propósito de uma possível saída de um dos vários jogadores que vamos abordar esta terça-feira.

É que o Man. City vai defrontar o Wolverhampton esta semana para o campeonato e quer manter o registo vitorioso (ao todo são vinte jogos sem conhecer o sabor de derrota em todas as partidas).

Para isso, já tem João Cancelo, Fernandinho, Kevin De Bruyne ou Benjamin Mendy.

Não há mais? Como é que estão os pupilos dos citizens?

Ora, um, parece que está de partida para Espanha, o que dá muita pena a Guardiola.

Vamos ver.

 

Eric Garcia

O defesa catalão de 20 anos Eric Garcia tem sido um dos jogadores que mais tem crescido dentro do City.

Veio dos juniores do Barcelona e chegou a Inglaterra na época 2017/2018, com apenas 16 anos.

Este ano conta apenas com 9 partidas mas o ano passado chegou aos 20 jogos.

Na seleção aí vão quatro desafios com a camisola vermelha e amarela ao peito.

Um homem rijo apesar da tenra idade.

“Sou defesa, se for preciso dar uma patada…”, disse em entrevista ao El Mundo a 12 de novembro do ano passado.

Dizem que será o sucessor de Sergio Ramos, por isso, está explicado toda esta testosterona no eixo da defesa.

Lê livros sobre futebol e também começou a tirar o curso de treinadores.

Ora, ora, está bem encaminhado, portanto.

 

Felix Nmecha

Felix Nmecha, que joga mais à frente do que Eric como médio ofensivo, é um valor seguro no FIFA 21.

Mas será na vida real?

Sim, até ver.

Tem dupla nacionalidade (alemã e inglesa) e leva 12 jogos mais 5 golos esta época. B

asta ver que até há bem pouco tempo andava nos juniores ou nos sub-21 a fazer muito poucos jogos.

É irmão de Luka, que também foi jogador de futebol no mesmo país, mas agora anda na Bélgica, por empréstimo do City, ao Anderlecht.

O sonho de jogarem juntos teve ser adiado por mais uns tempos.

 

Claudio Gomes

Convém também olhar para Claudio Gomes, possível sucessor de Fernandinho que, apesar de ter tido algumas dificuldades – foi emprestado ao PSV na época passada – tendo só feito um jogo esta época, continua a querer destacar-se.

O médio defensivo francês de 20 anos veio do Paris Saint Germain, com o carimbo das seleções mais jovens de França, acabando por surgir em campo na vitória diante do Chelsea para a taça Community Shield.

“Não quero necessariamente tornar-me numa estrela”, disse em entrevista à imprensa francesa. Melhor que o pai, que já foi jogador, já conseguiu.

 

Ferrán Torres

Finalmente vamos ao ataque, porque vale sempre a pena recordar a pedra mais preciosa deste clube, no actual momento: Ferrán Torres, o senhor que se segue.

Foi o escolhido por Pep para substituir Leroy Sané, que foi para o Bayern de Munique, e já custou aos cofres dos citizens 25 milhões de euros.

David Silva é a sua inspiração – roubando-lhe o número da camisola, o número 21 -, veio do Valência (e esteve quase para ser feito capitão por lá, segundo o jornal A Marca), e, com 21 anos, não pede licença a ninguém para marcar golos: 26 jogos, oito golos.

Na estreia pela seleção fez logo dois golos. “Um perigo constante”, segundo Luis Enrique, selecionador nacional.