A adivinha é antiga: o que é uma fruta e nunca foi acabada?

Anona é uma fruta. E a nona sinfonia de Beethoven nunca foi terminada. Resta uma terceira parte.

A nona vitória de Djokovic em Melbourne.

O sérvio pode atingir a nona vitória noutras tantas finais – e também o 18.º Grand Slam e ficar a dois de Federer.

O sérvio venceu nas meias-finais o russo-surpresa Aslan Karatsev e vai disputar o primeiro major da temporada.

O líder do ranking mundial não chegou às duas horas (precisou de 1h53 minutos) para ultrapassar a super-sensação Karatsev, 114.º do mundo.

Em 3 sets marcou presença na final com os parciais de 6-3, 6-4 e 6-2.

 

Karatsev, a Austrália é dele

 

Não foi nada mau para o russo de 27 anos, que nunca havia disputado antes o quadro principal de um torneio do Grand Slam. Acabou o sonho, mas foi uma bela viagem.

Para enfrentar o super-sérvio temos Medvedev.

O russo também não fez por menos e despachou a meia-final em 3 sets sobre o grego Tsitsipas.

 

 

 

20 vitórias seguidas

O russo de 25 anos, atual 4 do mundo, leva 20 vitórias seguidas – não perde desde o ATP 500 de Viena, realizado na última semana de outubro do ano passado.

Depois do torneio austríaco, Medvedev foi campeão do

  • Masters 1000 de Paris
  • do ATP Finals,
  • da ATP Cup
  • e, agora, soma seis vitórias em Melbourne

A final de Melbourne é a segunda de um Grand Slam da carreia de Medvedev.

Na primeira, levou Nadal ao quinto set no US Open de 2019, mas acabou derrotado.

Agora é contra Djokovic.

O histórico de Medvedev é desfavorável: quatro vitórias do sérvio em sete encontros.

O russo, no entanto, venceu 3 dos últimos 4 confrontos…

 

Brady enfrenta os minutos de terror de Osaka