O pecado da gula é um dos com pior fama, por talvez ser o mais fácil de cometer.

Ruslan Malinovskyi esteve próximo do Sporting o ano passado. Só que o Genk, onde esteve entre 2015/2016 (primeiro por empréstimo do Shakhtar Donetsk) e 2018/2019, não o deixou sair. Foi guloso.

Quer dizer, deixava, mas por valores a rondar os 20 milhões de euros. Tão guloso. O valor assusta, mas a verdade é que este ucraniano marcou 30 golos nessas três épocas.

O negócio não se concretizou e Ruslan esteve mesmo para ir para a Roma em janeiro de 2019, mas também não aconteceu.

“Não me deixaram sair em 2018 e pediram-me para ajudar a sermos campeões, dizendo que me permitiriam sair este verão. Em janeiro podia ter ido para a Roma, mas eu próprio não quis porque tinha dado a minha palavra de que ia ajudar na luta pelo título. Sinto-me traído e enganado, estão a pedir valores muito altos”, afirmou o jogador em entrevista ao Nieuwsblad.

Nem Sporting, nem Roma, nem Genk. O último destino de Ruslan foi a Atalanta por 13,60 milhões de euros, segundo o Transfermarkt. E que bem que fez ao clube.

Mas até se percebe esta insatisfação com a Bélgica. Ainda que a cerveja seja muito boa (mas beba com moderação, ok?), a verdade é que não é assim tão boa para ser desperdiçada. Escrevo isto, caro leitor, porque Ruslan já viu ser-lhe atirada uma cerveja durante uma partida, como contou em 2018 ao FH Football Hub.

Assim ninguém aguenta.

Ainda por cima sendo talentoso, como dá para ver neste vídeo dos seus melhores momentos:

 

Já leva 38 jogos – mais oito golos – e está a ajudar a Atalanta a cobiçar um estrondoso segundo lugar, sendo que o ano passado ficou em terceiro lugar, dando uma histórica entrada para a Liga dos Campeões (já marcou um penálti diante do Man. City o ano passado) – que agora se vai disputar este verão.

É que a Atalanta está na final eight, tendo agora a missão de ultrapassar o PSG. Ainda que Malinovskyi, com 27 anos, encaixe perfeitamente no plantel de Bergamo, já começa (novamente) a olhar para outras ligas, como a inglesa.

Afinal a gula não é só da Bélgica, vem do próprio jogador. Só que quando disse isto em abril, ainda não estava na hora de falar em transferências. E agora?

Bom, agora esperamos e contamos mais um pouco da história profissional (e de vida) de Ruslan.

Para já, leva 27 internacionalizações e 5 golos pela Ucrânia. E até tem alguma graça a ideia de que Ruslan não mandou a seleção pastar. E porquê?

Sábado 18 julho 16h15
Itália – Série A
Verona vs Atalanta
6,50 – 5,10 – 1,37

 

Basta olhar para o seu início de carreira. O Dínamo Kiev convidou-o para treinar, mas os pais não tinham dinheiro para gastar com essa mudança, já que moravam em Zhytomyr.

Se não foi o Dínamo a encontrá-lo, foi o Shakhtar em 2011. Só que o clube que agora é dirigido por Luís Castro, não o aproveitou – andou pelos juniores, pela terceira equipa (39 jogos e 10 golos) e pouco mais, depois foi sendo sucessivamente emprestado – passando inclusivamente pelo PFC Sevastopol, em 2014, que foi desmantelado assim que a Rússia teve aquela ideia gira de ocupar a Crimeia só porque sim – até cheg6,50 – 5,10 – 1,37ar à Bélgica.

 

Tão emprestado que acabou a jogar até na sua própria cidade, ao lado do irmão Alexander, nascido em 1985.

Curiosamente, foi exactamente há 6 anos que Ruslan se começou a mostrar realmente, tendo sido considerado o melhor jogador jovem da Ucrânia, quando andava pelo Zorya.

Pois é, mas estes dois irmãos nada têm a ver com o resto da família: segundo a imprensa ucraniana online, Ruslan vem de uma família de músicos.

 

Só que a única música que lhe interessava a ouvir em miúdo era (lá está) a da liga inglesa, do Arsenal e de Thierry Henry. Mentira, os próprios pais admitiram que o seu filho gostava de cantar, só que os milhões do futebol falaram mais alto.

Talvez a única coisa que agora fale mais alto é mesmo o seu bebé que nasceu o ano passado. A ver se aprende a dizer o nome do pai mais rápido do que Ruslan se transfere (finalmente) para Inglaterra. É que, para Ruslan, o Pecado da Gula mora lá.