O que é que é um bad boy? Um jovem que deixa as mulheres todas sem folêgo? Um tipo genial em campo mas que parte umas quantas cadeiras da bancada? Ou simplesmente um jogador que chega atrasado aos treinos?

Deixemo-nos de filosofias, porque no caso de Marin Pongračić, central croata de 22 anos que actua pelo VfL Wolfsburg, a resposta é fácil: chegar atrasado e ser “um brincalhão” no balneário – a palavra “joker”, como diz em entrevista ao Manschaftsbus.de em inglês, tem muito mais charme.

“Num dos primeiros dias no Wolfsburg, eu saí do banho e um colega roubou-me a toalha. Fiquei nu e desatei-me a rir. Mas depois comecei a pensar como é que poderia retribuir o favor. Eu associou o termo ‘bad boy’ a escândalos em público, algo que nunca tive”, confessa.

Bom, é novo, vai sempre a tempo. Mas a verdade é que por ser novo, e provavelmente por estar longe dos pais, é que também confessa precisar que os amigos o ajudem a levantar-se mais cedo para não chegar atrasado aos treino.

A verdade é que Marin conhece bem o solo alemão: na época 2017/2017 esteve no TSV 1860 de Munique, que milita na segunda divisão, quase, quase, a militar para descer. Antes, ainda passou pelos escalões de sub-19 do FC Ingolstadt 04 e pela formação do Bayern de Munique.

Experiência difícil, com falta de disciplina e dificuldades na escola. Só que só tinha um contrato amador, pouco dinheiro e “dificuldade em pagar um apartamento”.

 

Chegou mesmo a ter de trabalhar numa caixa de supermercado em Tengelmann enquanto treinava e, durante meio ano, foi empregado de mesa. “Nós, futebolistas, temos um certo luxo quando nos comportamos como profissionais. Mas nada disto deve ser tomado como garantido”, mais uma confissão para o site alemão. Afinal Marin não é nenhum bad boy porque sabe bem o que a vida custa.

Agora a história é outra: 10 milhões de euros pagou o Vfl para o tirar do Red Bull Salzburgo no início deste ano – e mantê-lo até 2024 -, quando tinha custado apenas 1 milhão aos austríacos. É que mesmo em tão tenra idade, realizou 56 partidas em todas as competições em que o Salzburgo entrou, tendo ajudado a ganhar o título de campeão em 2018.

Giovanni Reyna, a promessa americana-portuguesa-argentina

 

E pode não ser um grande clube europeu, mas é de lá que têm saído jogadores como Sadio Mané ou Erling Haaland. Aaah, pois é. E não é a primeira vez que os alemães trazem alguém da Áustria: o médio Xaver Schlager cruzou-se com Marin e agora jogam os dois de branco eAos 22 anos já é titular pelo Wolfsburg no regresso da Bundesliga.

Já tinha jogado na Alemanha, mas agora foram precisos 10 milhões para o trazer do RB Salzburgo. verde

Croata nascido em Landshut, ou seja, tem dupla nacionalidade mas já fez três internacionalizações pelos sub-21 croatas. Pode ainda jogar a lateral direito ou médio-defensivo, já que os 1,90 metros dão jeito para defender, desde que chegue a horas à marcação.

Apesar dos possíveis problemas que possa ter tido em (ainda) mais jovem, a verdade é que conta-se que Pongračić preferiu o Wolfsburgo ao RB Leipzig e ao Bayern.

O millenial Alphonso do Bayern

 

Não sabemos se é, de facto, um badboy, só que dá pelo nome de “marinloco34” no Instagram. Tem apenas 2.390 followers, o que, para jogador de futebol, é quase nada, daí as nossas reservas de perceber se se trata de um perfil verdadeiro.

Pode ser sempre um ex-colega a vingar-se das supostas diabruras que lhe deram a alcunha perigosa. Mas a julgar pelo uso do termo “loco” restam poucas dúvidas. Isso e que foi titular no primeiro jogo do regresso da Bundesliga, diante do FC Augsburg (1-2).