A Espanha eliminou a campeã europeia mas caiu na final ante a campeã mundial.

A França junta a Liga das Nações ao Campeonato do Mundo conquistado em 2018.

Em San Siro, os franceses estiveram a perder mas deram a volta 1-2 para arrecadar mais um caneco.

Mas não se livram da polémica.

 

 

Fora-de-jogo?

Sim. Não. Talvez.

Depende da interpretação e o VAR achou que não.

Há um toque de um jogador espanhol antes de a bola chegar a Mbappé e essa nova regra (ainda mal explicada) terá influenciado a decisão.

Com isso o jogador francês aproveitou para se isolar e letalmente bater Unai Simón para fazer o 1-2 a poucos minutos do fim.

 

 

O susto

Antes da vitória e da festa a França passou por um susto.

O golo de Oyarzabal ja a meio da segunda parte parecia indicar que a Espanha tinha tudo para ser feliz.

Só que logo a seguir apareceu o momento da noite – pelos pés de Benzema.

Nem dois minutos tinham passado e o avançado do Real Madrid empatava tudo em San Siro com um golo monumental.

 

 

Fica a França com a Taça, sucedendo a Portugal, primeirao país a vencer a prova, há dois anos.

Lembram-se?

Foi graças à bomba de Guedes.

 

Saiam da frente do Guedes (Portugal vence primeira edição da Liga das Nações)

 

Itália terceira

No jogo para o terceiro lugar a Itália bateu a Bélgica 2-1.

A anfitriã a jogar em Turim atirou os belgas para fora do pódio.

Nicolò Barella, um dos 30 candidatos à Bola de Ouro destge ano, inaugurou o marcador logo no início da segunda parte – Domenico Berardi fez o 2-0 de penálti.

 

 

3 bolas no ferro

A Bélgica atirou três vezes a bola aos ferros da baliza de Donnarumma e só conseguiu chegar ao golo a 4 mintos do fim.

De Ketelaeredes italiano enfiando a bola por entre as pernas.

Itália iguala Inglaterra

Com este triunfo, a Itália repete o terceiro lugar da Inglaterra há dois anos.

Em 2019, os ingleses bateram a Suíça por 6-5,nos penáltis, depois de 0-0 nos 120 mintos em Guimarães.

no desempate por grandes penalidades, após 0-0 nos 120 minutos, em Guimarães.

 

É tudo Theo Hernández – a França deu a volta à Bélgica e está na final