Eric Moussambani aprendeu a nadar oito meses antes da estreia nos Jogos Olímpicos de Sydney de 2000.

O guineense nunca tinha entrado numa piscina olímpca (não havia nenhuma na Guiné Equatorial) e treinava numa piscina de um hotel de Malabo graças à ajuda do gerente, que o deixava usá-la entre as 5 e as 6 horas da manhã.

A ideia era ir aos Jogos Olímpicos e graças a uma cedência do Comité Olímpico Internacional (COI), que oferecia vagas a países sem tradição no desporto, Moussambani teria de disputar a sua eliminatória de acesso à final com o nigeriano Karin Bare e Farkhod Oripov, do Tajiquistão.

Bare e Oripov fizeram falsa partida e foram desqualificados. Sobrou Eric Moussambani, que nadou sozinho para a final – só precisava de completar a prova e foi aí que se começaram a notar as primeiras dificuldades do guineense. Mesmo assim terminou e qualificou-se para a grande decisão.

 

 

O Centro Aquático Internacional, em Homebrush Bay, encheu-se com milhares de pessoas para assistir ao evento. Mais de um minuto depois de o holandês Van den Hoogenband ter chegado com recorde mundial (47,84 segundos) chegaria o guineense Moussambani (1min52s).

A imagem da sua dificuldade para nadar e terminar os 100 metros tornou-se famosa. E deu-lhe celebridade.

«Sei que pareceu que eu não sabia nadar. Mas não foi isso. Ter nadado sozinho deixou-me muito nervoso. Fiquei com medo de envergonhar a minha família e o meu país. Os 50 metros finais foram muito difíceis», conta hoje Moussambani à folha de são paulo

Ficou em último mas a partir desse dia a sua vida nunca mais seria a mesma.

Quando regressou ao seu país teve recepção de chefe de Estado. O ditador Teodoro Obiang Nguema Mbsasogo, no poder desde 1979, mandou construir duas piscinas olímpicas.

Vinte anos depois desse momento, Moussambani é engenheiro eletrónico de uma empresa exportadora de gás. E é selecionador da equipa de natação da Guiné Equatorial – aliás, foi nessa condição que estevee presente nos Jogo do Rio de Janeiro, em 2016.

E agora espera levar quatro atletas (dois homens e duas mulheres) aos Jogos de Tóquio.