David Villa anunciou que vai arrumar as chuteiras (juntamente com as meias, os calções e as camisolas) no fim da época, depois de mais de 19 anos com a bola a passar pelos tarsos, metatarsos e falanges todos.

O avançado espanhol tem um CV de meter inveja, além de um passaporte com carimbos dos 4 cantos do mundo. Foi no Japão que decidiu meter os papeis para a reforma, local onde vai realizar o último jogo ao serviço do Vissel Kobe no dia 7 de dezembro.

A decisão da reforma é uma espécie de código de honra para com ele próprio.

«Quero retirar-me do futebol, não ser obrigado a fazê-lo»

 

 

Decisão ponderada e com o total apoio de todos os que estão à sua volta, disse David Villa, ao comunicar a sua decisão. O espanhol agradeceu às pessoas com que trabalhou, equipas, treinadores, jogadores que foram responsáveis por o fazer crescer e tornar um jogador de renome mundial.

Com um total de 437 golos marcados, Villa é o melhor marcador de todos os tempos da selecção espanhola. Uma coisa é certa, um lugar na história do futebol mundial já ninguém lhe tira, e o espanhol promete que vai continuar a abraçar desafios futebolísticos.

O próximo vai ser investir num clube americano, o Queensboro FC, que neste momento se encontra a jogar na segunda divisão americana.

«Apesar de não estar em campo, continuarei a envolver-me no futebol de outra maneira e a contribuir para o mundo do futebol»

 

https://twitter.com/Football__Tweet/status/1196184586906038272?s=20

 

David Villa Sánchez, nasceu a 3 de Dezembro de 1981 e está a meia dúzia de dias de completar 38 anos de idade. Ganhou tudo o que tinha para ganhar. Se isto não é impressionante então não sei bem o que é.

Títulos

Seleção espanhola 
Mundial 2010
Europeu 2008

La Liga
Barcelona 2010/11 e 2012/12
Atlético de Madrid 2013 /14

Taça do Rei
Zaragoza 2004
Valência 2008
Barcelona 2010 e 2011

Supertaça espanhola
Zaragoza 2004
Barcelona 2010 2 2011

Liga dos Campeões
Barcelona 2010/11

Supertaça Europeia
Barcelona 2011

Mundial de Clubes da FIFA
2011

Foi em 1999 que começou a sua carreira profissional no Sporting de Gijón onde esteve por 4 temporadas, primeiro na equipa B e depois seguiu-se a equipa principal. A estreia na La Liga deu-se com o emblema do Zaragoza onde jogou por duas épocas, entre 2003 e 2005 e marcou 39 golos.

Na temporada 2005/06 fez a malinha e mudou-se para o Valência, altura em que se deu a sua ascensão, e em que ganhou um lugar pela selecção espanhola. Pumba mais 129 golos e uma Taça do Rei. Fez os encantos dos valencianos por 5 épocas.

 

https://www.instagram.com/p/B40KhGCoZsm/

 

Em 2010 deu o maior pulo na sua carreira e passou a defender o emblema dos catalães. David foi transferido para o Barcelona por 40 milhões de euros e ao longo de 3 épocas marcou 48 vezes com o emblema catalão.

Ganhou tudo o que tinha para ganhar e fez o seu nome suar nas bancadas por variadíssimas vezes. Em 2011 fracturou a tíbia da perna esquerda e teve uma paragem de mais de 5 meses, depois da lesão voltou aos relvados e continuou a marcar. Na última temporada com a camisola catalã marcou 21 vezes.

 

https://twitter.com/brfootball/status/1194639858188206080/photo/2

 

Em 2013 mudou-se para os Colchoneros e somou mais uma Liga Espanhola ao seu currículo, num magnifico sprint na recta final da La Liga. Fez 15 golos em 47 jogos, sendo um dos responsáveis por o atlético de Madrid alcançar o campeonato que lhes fugia desde a época 1995/96.

O Atlético subiu ao primeiro lugar do campeonato na 29º jornada, aproveitando a derrota do Real Madrid frente ao Barcelona (3-4) e nunca mais saiu de lá. Quebraram 18 anos de seca.

 

 

Em 2014 abraçou um novo desafio e rumou ao EUA para jogar no recém formado New York City, que na temporada de 2015 começou a jogar na MLS, o principal campeonato de futebol. Pelo meio ainda foi emprestar um pezinho à Austrália. Fim das contas, mais 85 golos para o espanhol.

A sua carreira profissional chega ao fim no Japão, com o emblema do Vissel Kobe.

Na selecção espanhola é o melhor dos melhores. Feitas as contas é o maior goleador da história com 59 golos marcados, em 98 jogos. Campeão Europeu em 2008 e melhor marcador com 4 golos e ainda campeão do mundo em 2010 pela primeira vez na história espanhola.

Espanha, mais concretamente Villa foi o responsável pelo afastamento de Portugal na prova nos oitavos de final, em que a Espanha ganhou por 1-0.

 

 

Realmente com este currículo não há mais nada para ganhar ☺