16 de outubro 1985

(ano de nascimento de Cistiano Ronaldo, Lewis Hamilton e Lana Del Rey)

O desafio não podia ser mais fácil (estamos a ser irónicos):

Portugal precisava de ir ganhar à RFA na última jornada do grupo de qualificação ao Mundial. Como se isso não fosse quase impossível (os alemães nunca tinham perdido um jogo oficial em casa), era necessário ainda que a Suécia perdesse em Praga com a Checoslováquia.

Tão fácil (ou não) que o selecionador José Torres perante as insistentes perguntas dos jornalistas sobre o mlagre que seria preciso deixou cair um… “deixem-me sonhar”.

Mas foi mesmo isso que aconteceu – o sonho. Portugal ganhou 0-1 (agradecer a Carlos Manuel) e a Suécia perdeu 2-1 (agradecer aos dois golos de Ladislav Vízek, campeão olímpico checo em 1980).

O pesadelo viria a seguir: Portugal e Alemanha foram ao México 86 – Portugal perdeu-se em Saltillo e a Alemanha perdeu a final para a Argentina de Maradona.

 

Seria Littbarski a perder a bola no meio campo e permitir a arrancada de Carlos Manuel – o mesmo Littbarski que na primeira volta tinha marcado um dos dois golos com que a Alemanha vencera em Alvalade 1-2 (o outro foi de Voeller).

A equipa que subiu ao relvado de Estugarda era esta (Carlos Manuel Santos e mais dez…):

Bento
João Pinto
José António
Frederico
Augusto Inácio
Veloso
Venâncio
Mário Jorge
Jaime Pacheco
Carlos Manuel
Fernando Gomes

Jogaram ainda:
Litos
José Rafael

Golo aos 54 minutos

Grupo 2
1.º Alemanha 12 pontos
2.º Portugal 10 
3.º Suécia 9
4.º Checoslováquia 8
5.º Malta 1

Suécia-Portugal 0-1 (Fernando Gomes 79)
Portugal-Checoslováquia 2-1 (Diamantino 14, Carlos Manuel 48)
Portugal-Suécia 1-3 (Jordão 12)
Malta-Portugal 1-3 (Carlos Manuel 6, Fernando Gomes 13 e 73)
Portugal-Alemanha 1-2 (Diamantino 57)
Checoslováquia-Portugal 1-0
Portugal-Malta 3-2 (Fernando Gomes 38 e 82, José Rafael 53)
Alemanha-Portugal 0-1 (Carlos Manuel 54)