É um ver se te avias.

O Real vinha de 4 vitórias seguidas no Clássico com o Barça e levou a série para Riade: venceu a quinta partida consecutiva ao rival e arrecadou a Supertaça espanhola na Arábia Saudita.

Melhor é quase impossível.

 

 

Anos 60

É preciso recuar aos anos dourados do Real Madrid para termos uma série assim.

Nos anos 50-60, nos quais o Real venceu 6 Taças dos Campeões Europeus (5 consecutivas) o domínio também se refletia na Liga espanhola.

E uma das vítimas foi o Barcelona: aí os blancos obtiveram uma série até hoje imbatível – sete jogos seguidos a vencer o Clássico entre 1962 e 1965 (com Miguel Muñoz como treinador).

 

 

Em Riade o Real teve mais dificuldades do que esperaria perante uma equipa ainda a ganhar rotinas e a estrear Xavi como teinador nos clássicos.

O técnico catalão alinhou com

  • Ansu (2 meses sem jogar)
  • Ferrán Torres (3 meses sem jogar)
  • Dani Alves (2 jogos nos últimos 4 meses)
  • Pedri (3 meses sem jogar)
  • Depay (1 jogo no último mês)

Demasiado para uma equipa que enfrenta um Ancelotti com as ideias mais do que definidas.

 

 

Benzema+Vinícius

Além da falta de rotina, o Barça tinha pela frente uma dupla temível: Benzema e Vinícius Júnior.

Os dois juntos esta época têm mais golos que a equipa toda do Barcelona.

O francês (23) e o brasileiro (15) somam 38 golos: mais dos que os 37 dos catalães todos juntos:

  • 31 La Liga
  • 2 Champions
  • 2 Taça
  • 2 esta Supercopa

E os dois madridistas marcaram mesmo: autores do 1-0 (Viní) e 2-1 (Benzema).

 

Boa reação do Barça mas…

Só que o Barça apesar de tudo foi respondendo.

Por De Jong no fim da primeira parte – e Ansu Fati no fim do segundo tempo.

E a coisa foi para prolongamento.

Aí apareceu Valverde.

 

Inzaghi não perdoa a Juventus

Em Itália também houve campeão da Supercoppa: foi o Inter.

Contra a Juventus Simone Inzaghi voltou a não dar tréguas – o treinador venceu a terceira Supertaça da carreira como treinador: as três contra a Juve.

 

 

Desta vez foi necessário no entanto recorrer ao golo mais tardio na prova: no último segundo dos 120 minutos.

Foi Sánchez a fazer o 2-1 para loucura dos adeptos do Inter: não só são campeões de Itália, lideram a Serie A esta época e venceram a Supercoppa.

Parabéns!