Nacional vs Feirense
2.00 – 3.10 – 3.50

Aves vs Benfica
7.25 – 4.40 – 1.36

 

Um Nacional impreparado, fiel ao seu modelo, quando na Luz se impõe sempre um jogo mais estratégico para que se possa sobreviver, tombou de forma estonteante.

Foram demasiados e grotescos os erros dos madeirenses, no palco do Benfica.

Desde os constantes maus posicionamentos no controlo da profundidade, à falta de agressividade nos duelos, até à incapacidade de perceber momentos para que a última linha reaja, seja subindo ou descendo, até a uma estratégia ofensiva pouco inteligente, pela forma como expôs a equipa após cada perda, a equipa de Costinha foi um verdadeiro bom-bom para um Benfica em crescendo

Acto 1
– Atracção do lateral por Rafa, e adormecimento do extremo, causa origem ao desequilíbrio. Bola entra no espaço desprotegido e de lá até ao fundo da baliza foi um instante.

 

Acto 2
– Perda inacreditável deu azo a um contra ataque com a equipa aberta para jogar, e portanto incapaz de chegar rápido a fechar o espaço.

 

Acto 3
– Mau controlo da profundidade. Rúben Dias progride sem oposição e última linha nacionalista não baixa para mais próximo da sua baliza. Fica demasiado próxima do portador, e demasiado longe da sua baliza. Incapaz de controlar passe para as costas, acabaria batida.

 

Acto 4
– Incrivelmente mal disputado o duelo no ar no centro da área. Ninguém toca na bola, esta toca no chão e surge mais rápida nas costas do último elemento do Nacional, aparecendo João Felix solto a finalizar.

 

Acto 5
– Saída em Transição Ofensiva, e Nacional sem matar lance no início, e com central mal orientado para poder sair a passe nas costas. Acabou por sair tarde a Pizzi e cometer penalty.

 

Acto 6
– Bola parada, e Ferro vence com imponência um duelo aéreo onde é “pouco estorvado”.

 

Acto 7
– Nova bola parada. Nacional a colocar poucos elementos na última linha para responder ao cruzamento, e elemento do 2º espaço deixa aumentar o espaço para o jogador do 1º. Nesse espaço surgirá Rúben Dias a finalizar.

 

Acto 8
– Nova bola parada. Novamente Nacional a colocar pouquíssimos elementos para defender o lance. Barreira a quatro, com livre tão próximo e ninguém nas costas dos jogadores encarnados que incorporaram a barreira.

 

Acto 9
– Incrível má decisão do lateral do Nacional que procura com um passe cortar os três corredores do jogo. Sem surpresa a bola acaba interceptada por Rafa que contra um Nacional aberto porque em posse, combina com Pizzi para o nono golo.

 

Acto 10
– Como habitual ao longo da partida, última linha nacionalista mal posicionada em profundidade. Com portador sem contenção, teria que baixar para mais próximo do seu guarda redes, encurtando distância. Para lá do mau posicionamento no espaço, falta de agressividade nos duelos, permitiu até que Jonas, um dos mais frágeis da Liga nesse capítulo e no ataque à profundidade, saísse para finalizar o último golo do jogo.