Falamos de um Barcelona-PSG e vem-nos à memória o épico 6-1 de 2017.

Essa memória acabou. Ou melhor, foi sobreposta.

Já não vai ser mais assim depois da noite mágica de Mbappé.

 

 

O avançado do PSG foi a Camp Nou marcar 3 golos e deixar os oitavos-de-final da Champions praticamente decididos para os parisienses com a vitória por 1-4.

E mais uma vez o Barça tem a porta pequena aberta: depois do humilhante 8-2 da época passada com o Bayern. E de todos os anos desde 2016.

  • 2016 eliminado pelo Atlético Madrid nos quartos de final 2-1 e 0-2
  • 2017 elimnado pela Juventus nos quartos-de-final 3-0 e 0-0
  • 2018 eliminado pela Roma nos quartos-de-final 4-1 e 0-3
  • 2019 eliminado pelo Liverpool nas meias-finais 3-0 e 0-4
  • 2020 eliminado pelo Bayern nos quartos-de-final 8-2

Parecia tudo feito para o Barcelona sair em grande.

Neymar e Di María não puderam jogar e os catalães marcaram primeiro. Pedir mais o quê?

Messi marcou de penálti (por falta de Kurzawa sobre De Jong).

Só que há Mbappé.

 

 

Aquele puto que já venceu tudo (até um Mundial pela França) mas falta-lhe a Champions.

O francês empatou e fez o 1-2 em meia-hora. E faria ainda o 1-4, depois de Keane ter marcado o 1-3.

 

Uma tragédia em oito actos

 

Este foi o segundo hat-trick de um adversário em casa do Barcelona nas provas europeias. O primeiro tinha sido Shevchenko com o Dínamo Kiev, em 1997.

Com Messi em campo, foi o primeiro.

Juary também já o tinha feito, nas Antas, mas o Porto seria eliminado nesses oitavos-de-final de 1985-86. O Barça ganharam em Camp Nou 2-0 e o 31- da segunda volta seria insuficiente.