Agora foi a vez do Liverpool sofrer na pele aquilo que fez ao Barcelona.

Há um ano Anfield assistiu a uma das reviravoltas mais épicas do futebol. O Barça tinha ganhado no Camp Nou 3-0 e o Liverpool deu a volta no segundo jogo com um 4-0. Estávamos nas meias finais e os reds entravam na final em grande estilo – final que ganhariam ao Tottenham por 2-0.

Agora o pesadelo voltou-se contra a equipa de Liverpool, nos oitavos de final.

Klopp assisitu de pé e à chuva à derrocada da sua equipa. Desde que a sua equipa perdeu em Madrid no dia 18 de fevereiro, o Liverpool somou 3 derrotas nos 5 jogos seguintes.

 

Foi tão bom não foi?

 

vs Atlético em Madrid para a Champions 1-0
vs West Ham em casa para a Premier League 3-2
vs Watford fora para a Premier League 3-0
vs Chelsea em Londres para a Taça de Inglaterra 2-0
vs Bournemouth em casa para a Premier League 2-1
vs Atlético em Anfield para a Champions 2-3

E com isso disse adeus:

  • ao recorde de 49 jogos sem perder (fez 44)
  • ao trebble (Premier League, Champions e Taça)
  • à revalidação da Champions

Pior: o Liverpool não foi apenas eliminado da Liga dos Campeões. Anfield perdeu uma invencibilidade de 42 jogos (37 vitórias e 5 empates) e estava há seis anos sem perder em nas competições europeias.

É obra. Mas obra de quem?

Para começar de Oblak. O Messi das balizas segundo Simeone.

«I have no doubt that we have the best goalkeeper in the world. What Messi does in attack for Barça, Oblak does in defence for us. Barça have Messi and we have Oblak» Diego Simeone

 

 

O guarda-redes esloveno de 27 anos que passou pelo Benfica, Beira-Mar, Olhanense, União de Leiria e Rio Ave, fez 9 defesas em Anfield e saiu como o grande herói da noite.

 

 

Depois houve o anti-Oblak. Adrián foi titular na baliza do Liverpool devido à lesão de Alisson e saiu dele a assistência para o primeiro golo do Atlético.

O espanhol errou o chuto com força fora da área e a bola foi parar aos pés de João Félix que a induziu a Llorente – estava aberto o caminho para a vitória.

«He’s a man and he knows that’s how it is. We will not blame him for a second – what you (the media) do, I don’t know, but stay respectful, that would be really nice» Klopp sobre Adrián

Sabemos que não é assim. Klopp também tentou disfarçar o embaraço na final da Champions perdida para o Real Madrid em 2018, quando o guarda-redes Karius esteve ligado a dois dos 3 golos sofridos na derrota por 3-1.

Klopp também o defendeu mas alemão deixaria Liverpool para ser emprestado ao Besiktas. E o clube pagou o que ninguém tinha pago por um guarda-redes para ir buscar Alisson (até poucos meses depois o Chelsea ter perdido a cabeça por Kepa).

 

 

A coisa até parecia correr bem. Apesar da derrota em Madrid, o Liverpool conseguiu empatar a eliminatória com um golo de Wijnaldum na primeira parte.

No prolongamento os reds até fizeram o 2-0 polr Firmino, mas o erro de Adrián deu o 2-1 ao Atlético. A partir daí tudo se desfez: 2-2 por Llorente e 2-3 por Morata.

Mas nós sabemos que Klopp é bom a dar a voltas a momentos menos bons.

 

Never give up Klopp