O Dortmund empatou no fim mas o City mesmo assim ainda chegou à vantagem 2-1. O Real tem uma diferença confortável sobre o Liverpool 3-1.

Resumindo: City e Real partem em vantagem, mas não muita.

Quem segue em frente?

 

Borussia Dortmund vs Man City

Eliminatória viva.

O tremendo ataque organizado do City, pleno de criatividade, capacidade para tomar decisões e velocidade de execução e definição encontra um Dortmund cuja força principal é certamente a forma como encaixa nesse tipo de jogo.

Afinal, com Haaland, Brandt e Hazard na frente, as saídas em contra ataque são poderosíssimas quer na definição do último passe quer no aparecimento de Haaland no último reduto para finalizar.

 

Foden, Bernardo e Mahrez deverão formar o ataque móvel e criativo da equipa de Pep, mestre que encontra sempre caminhos / soluções para estrategicamente explorar organização contrária.

Entre linhas, e a surgir para finalizar – na primeira mão perdeu diversos lances, tendo acabado por marcar o tento da vitória – Foden pela velocidade a que executa e capacidade de aparecer de frente para a última linha ora assistindo ora finalizando, tem condições para ser o Factor X de todo o jogo e eliminatória.

 

O autógrafo mais estranho de Haaland

 

Liverpool vs Real Madrid

A bancada Kop vazia será o aliado maior de um Real Madrid que chega com dois golos de vantagem.

Não haverá Van Dijk, Matip, Joe Gomez nem Henderson, enquanto do outro lado serão baixas a temível dupla de centrais – Ramos e Varane, bem como Carvajal.

 

Liverpool assistirá a um encontro de grande intensidade competitiva.

A equipa de Klopp não sabe comportar-se de outra maneira na forma como defende – sempre pressionante, procurando recuperar as bolas necessárias aos contra ataques onde tantas vezes é letal, e o Real Madrid de Zidane parece fadado para os grandes jogos e os grandes momentos.

Os anos passam mas Modric e Kroos continuam a gerir os ritmos do jogo com a classe de sempre.

 

Os mil jogos de Florentino: mais troféus internacionais do que nacionais

 

O Real pausa e acelera, é vertical no momento do ganho da bola – e ai Vinícius torna-se cada vez mais figura de destaque a nível mundial – mas também sabe esconder a posse da equipa adversária com o intuito de lhe quebrar o ímpeto ofensivo.

O jogo da segunda mão ficará marcado pela ausência dos melhores defesas de lado a lado, e pela presença de dois ataques verdadeiramente letais em Transição Ofensiva, prometendo um jogo de grande criação e chegada às balizas.

 

O faro goleador de Diogo Jota, avançado luso capaz de jogar em todos os momentos do jogo e em todas as fases poderá voltar a ter uma noite de sonho na Champions no confronto contra uma dupla (Nacho – Militão) que ainda procura melhor entendimento. Mesmo que a equipa “blanca” parta com grande favoritismo.