O Dragão veste-se de gala para mais um confronto da prova milionária em que Sérgio Conceição tão bem tem dado conta de si.

Ultrapassadas as feridas de Liverpool, o Porto tem uma oportunidade importante de deixar os “rossoneri” à distância de duas partidas (4 pontos).

 

Muitas baixas para Pioli 

A equipa de Stefano Pioli tem vindo a crescer, prometendo resgatar prestígio de outrora, mas a viagem ao Porto será feita sem Theo Hérnandez.

O francês é um dos melhores laterais do futebol mundial e peça-chave na manobra italiana.

 

 

O treinador milanês tambem não conta com Florenzi, o homem que dinamita o corredor direito, nem Brahim Diaz, o criador máximo da equipa – 4 golos e 3 assistências em nove jogos são marca importante.

E ainda sem o poderio físico de Bakayoko e com Rebic em dúvida.

 

4x2x3x1 e Rafael Leão

O 4x2x3x1 do Milan, terá em Rafael Leão pela esquerda e Saelmaekers pela direita, os homens que procurarão servir Giroud, o ponta-de-lança francês que prima pela inteligência com que abre espaços nas defensivas contrárias.

Bennacer e Tonali formam um duplo pivot a meio campo com grande qualidade técnica e capacidade para fazer a bola e o jogo fluir para as zonas de criação, e obrigarão Sérgio Conceição a um plano de pressão sobre os médios contrários.

 

Porto em 4x4xx2

Não deverá alterar o habitual 4x4x2, sendo que a principal dúvida será perceber quem acompanha Taremi na frente de ataque.

A fórmula Toni Martínez para garantir pressão e presença física deverá ser trocada pela presença do criativo Jesus Corona ou até Fábio Vieira.

Otávio na ala direita com funções de equilíbrio tático, pela agressividade individual e pelo posicionamento híbrido, e a gazela Luis Diaz à solta para poder resolver o jogo em cada aceleração decorrente do ganho da bola.

 

Firmino na Salah do Dragão (e nova goleada no Porto)

 

Sérgio Oliveira deverá reocupar o lugar ao lado de Uribe e a equipa azul preparar-se-à para um jogo de encaixe sobre os dois médios adversários, pressionando em zonas altas para tomar conta do jogo, e recuperar bolas que possam aproveitar os espaços largos onde Diaz faz a diferença.

Embora o equilibrio prometa ser a chave dominante, e o AC Milan esteja a crescer para cumprir a sua tradição histórica, a intensidade competitiva e os planos de jogo na Champions de Sérgio Conceição, costumam fazer a diferença no Dragão.

 

Besiktas vs Sporting. À procura dos primeiros pontos