Temos o Leipzig, novíssimo nestas andanças da Champions, e agora a Atalanta (e ainda o Valência). São os outsiders desta edição.

Os alemães medem forças com o Tottenham. Italianos e espanhóis enfrantam-se em San Siro.

Lutam todos pelo lugar deixado pelo Ajax. Quem chegará mais longe?

 

 

Fazer melhor que os holandeses o ano passado será improvável, mas o que estas equipas já conseguiram só por chegar a esta fase é sem sombra dúvidas surpreendente.

Não é o jogo mais apelativo para a maioria, não há estrelas a pisarem os seus relvados, nem sequer os seus símbolos nos têm habituado a presenças contínuas na Champions (Atalanta nem se fala).

Mas não estávamos todos já fartos de vermos sempre os mesmos?

A Atalanta com seu ataque demolidor e um Valência pouco exuberante mas já com vários resultados surpreendentes ao longo da época, constituirão um desafio interessante para estes oitavos e devolvem-nos a esperança deixada pelo Ajax o ano passado, e sobretudo o desejo de vermos novamente um peixe pequeno a nadar no mar com os tubarões.

Hoje 20h00
Liga dos Campeões
Atalanta vs Valência
1,68 – 3,85 – 4,50

Entre as duas, a Atalanta é aquela que tem despertado mais interesse. O estilo de jogo atacante que Gian Piero Gasperini conseguiu implementar na equipa faz dos italianos uma equipa temível e com uma veia goleadora capaz de atormentar qualquer equipa (7-1 à Udinese, 5-0 ao Milan, 5-0 ao Parma, 7-0 ao Torino).

 

 

Na Serie A são já 63 golos em 24 jogos, o melhor registo do campeonato, à semelhança do que aconteceu o ano passado quando terminaram a época com 77 golos. E com o andar da carruagem estão bem encaminhados para baterem em larga escala a marca desse ano.

Ilicic (14 golos), Muriel (12 golos) e Zapata (8 golos), são as principais armas ofensivas dos italianos que ocupam neste momento a 4ª posição da tabela no campeonato, e vão numa série positiva de 3 vitórias nos últimos 4 jogos, uma das quais por uns incríveis 7-0 frente ao Torino.

 

 

Na fase de grupos demoraram algum tempo a engrenar e só demonstraram estar verdinhos e pouco preparados para o nível de Champions, não fosse esta a primeira vez na sua história que pisavam o maior palco do futebol.

Por isso, a primeira ronda de 3 jogos foi para esquecer, só com derrotas e inclusive duas goleadas pelo meio.

Primeiro logo na jornada inaugural frente ao Dinamo Zagreb, por 4-0, seguida de uma derrota frente ao Shakhtar de Luís Castro, por 2-1, e depois frente ao City por 5-1.

Mas os 0 pontos e 11 golos sofridos nos primeiros 3 jogos não deitaram por terra as esperanças dos italianos, e nos jogos seguintes – empate com City (1-1) e vitórias sobre o Dinamo Zagreb (2-0) e Shakhtar Donetsk (0-3) – conseguiram somar 7 pontos em 9 possíveis, o suficiente para se colocarem no 2º lugar e chegarem aos oitavos.

 

https://www.youtube.com/watch?v=jSAH3GT-XDY

 

Não é difícil de perceber que é no eixo defensivo que residem as principais dificuldades desta equipa. Na Serie A contam com 32 golos sofridos e nos últimos 15 jogos apenas por 3 vezes a folha ficou em branco.

A mentalidade desta Atalanta só é uma: simplesmente marcar mais golos que o adversário e pouco importa quantos se sofrem. E é aqui que reside o seu encanto.

 

 

Quanto ao Valência, ‘divertida’ não é exactamente a palavra mais indicada para descrever esta equipa.

No campeonato as coisas não correm propriamente bem e estão longe de dignificarem a presença nestes oitavos, apenas no 7º lugar e com 38 pontos conquistados (10 vitórias, 8 empates e 6 derrotas). O registo goleador é tímido (apenas 35 golos marcados em 24 jogos) e a forma não é a melhor, com 2 derrotas nos últimos 2 jogos.

Para a Taça do Rei foram eliminados pelo Granada nos quartos de final e antes disso passaram pelo Logroñes da 3ª divisão (1-0) e também da 3ª divisão, o Cultural Leonesa (que eliminou o Atlético), nos penálties.

Nos oitavos quase por acaso e sem saber ler nem escrever, o Valência conseguiu mesmo terminar o grupo H na primeira posição à frente do Chelsea e do Ajax, com 3 vitórias, 2 empates e apenas 1 derrota.

Para a história ficaram as importantes vitórias frente ao Chelsea por 0-1 na jornada inaugural, e a encerrar a fase de grupos, no jogo do tudo ou nada, com a vitória também por 0-1 frente ao Ajax.

Ponto em comum nessas vitórias? Foram ambas frente aos adversários mais fortes do grupo e em jogos fora, como será este frente à Atalanta. Mérito terá que ser dado ao Valência.

Individualmente Maxi Gómez é a principal arma no ataque com 9 golos no campeonato, e contam ainda com Rodrigo, Dani Parejo e Gonçalo Guedes, como os homens mais capazes de desbloquear o jogo.

 

 

Têm também toda a história europeia a seu lado: duas presenças consecutivas em finais de Liga dos Campeões, uma em 2000 (derrota frente ao Real) e outra em 2001 (derrota frente ao Bayern Munique); uma Liga Europa conquistada em 2004; e duas Supertaças Europeias ganhas.

O símbolo do Valência pesa mais e a Champions é território conhecido. Do outro lado estará uma Atalanta pronta a atacar desenfreadamente a baliza adversária.

Temos jogo.