Foi hoje o sorteio do que falta jogar da Liga dos Campeões – estamos a falar dos quartos e das meias finais. E promete ser intenso.

Vamos ter um super agosto em Lisboa com eliminatórias de um só jogo entre os dias 12 e 23.

 

 

Man City/Real Madrid v Juventus/Lyon

O vencedor da eliminatória do Manchester City-Real Madrid irá defrontar o vencedor do confronto Juventus-Lyon.

  • Man City v Real Madrid (os ingleses ganharam em Espanha 1-2)
  • Juventus v Lyon (os franceses venceram em casa 1-0)

 

 

City e Real apresentaram-se no pós quarentena como duas das equipas mais capazes de vencer jogos. Todavia, enquanto a equipa de Guardiola oferta lições de futebol de jogo para jogo, aliando à soberba qualidade individual armas colectivas em ataque posicional para demonstrar adversários

Num jogo que trouxe de volta Ederson para a ribalta pela forma como começa desde logo a alimentar zonas mais altas, e tornou a consagrar o mágico De Bruyne – o Real Madrid cumpre os mínimos para chegar à conquista de La Liga.

Sábado 8 agosto 20h00
Man City vs Real Madrid
1,66 – 3,90 – 4,10

 

O momento exibicional diferente e a vantagem trazida de Madrid deverá ser suficiente para que o City chegue aos quartos de final onde defrontará Juventus ou Lyon.

A Juventus de Sarri mesmo à beira de mais um Scudetto é uma das desilusões na Europa do futebol na presente época. Nada sobra do futebol apaixonante e de constantes ligações ofensivas que o italiano implementou em Nápoles.

Sexta-feira 7 agosto 20h00
Juventus vs Lyon
1,47 – 4,00 – 5,65

 

Forçado a adaptar-se a jogadores com maior estatuto, deixou cair o 4x3x3 para poder integrar Ronaldo e Higuain na equipa, e ainda vai prescindindo de Dybala porque o argentino não tem a capacidade de recuperação para linha média de Douglas Costa.

Não é uma equipa mas antes um acumular de jogadores de grande valia individual. Não defende como uma equipa e embora seja expectável que consiga dar a volta na eliminatória que oporá a velha senhora ao Lyon, até porque a equipa francesa está sem competir à largos meses, o confronto com o City trará dificuldades gigantescas a uma “velha senhora” pouco disponível para o trabalho que sempre se exige na competição mágica.

 

Barcelona/Nápoles v Bayern/Chelsea

O vencedor da eliminatória entre o Barcelona e o Nápoles defrontará o vencedor do Bayern -Chelsea.

  • Barcelona v Nápoles (empate em Itália 1-1)
  • Bayern v Chelsea (os alemães golearam em Londres 0-3)

 

 

O caminho até aos quartos de final parece aberto para Barcelona que apenas precisará de empatar sem golos na recepção ao Nápoles, e ainda mais para um demolidor Bayern que traz uma vantagem de três golos de Inglaterra.

Só Messi poderá colocar em causa as valências de um Bayern que apenas no City encontra rival na sua qualidade de jogo pós quarentena.

O Barcelona é hoje uma equipa com pouca criatividade, com dificuldades para manter a percentagem de bola esmagadora de outrora, e sem a capacidade defensiva necessária para os agora mais longos períodos sem a posse.

Sábado 8 agosto 20h00
Barcelona vs Nápoles
1,55 –  4,00 – 4,95

 

O talento de Griezmann deverá cair para o banco na Liga dos Campeões para que o Barcelona possa ter mais elementos capazes de equilibrar a equipa. Ainda que tal opção possa criar mais dificuldades ao jogo ofensivo do Bayern, será também um condicionador da própria identidade “culé” que para poder competir contra uma equipa incomparavelmente melhor do ponto de vista colectivo, se verá ainda menos capaz ofensivamente.

Sexta-feira 7 agosto 20h00
Bayern Munique vs Chelsea
1,48 – 4,40 – 5,55

 

Do outro lado e sem pressão sobre a sua construção – pressão que os atacantes do Barcelona raramente fazem – Alaba, Kimmich, Boateng e Thiago terão todas as possibilidades de encontrar os caminhos para o último terço onde Gnabry, Coutinho, Coman, Muller e Lewandowski fazem inúmeros estragos. Na frente a eficiência de cada gesto que permite acelerar o jogo, que se alia à eficácia finalizadora de Lewandowski torna a equipa Bavária a grande candidata não apenas a ultrapassar o Barcelona nos quartos de final, mas até a bater o City numa espécie de final antecipada.

Só Messi poderá contrariar o destino Catalão.

 

RB Lepzig vs Atlético de Madrid

 

Simeone voltou a encontrar um sorteio “favorável” no anseio de chegar à sua terceira final da Liga dos Campeões.

O próprio nome das equipas em disputa não despertará de sobremaneira o interesse da Europa do futebol, quando comparado com outros confrontos ditados pelo sorteio. Contudo, defrontar-se-ão duas equipas de identidades bem vincadas e com um rigor tático pouco comum nos dias que correm, em que demasiadas vezes é a individualidade que determina tudo o que acontece no campo.

O Atlético vs Leipzig será um jogo de coletivo. Um jogo de equipa. Vinte e dois jogadores ao serviço de uma ideia – Disponibilidade, perseverança, rigor tático e qualidade!
De Timo Werner a Sabitzer, de João Felix a Diego Costa, passando por Saul Niguez e Dani Olmo, se é rigor tático que pretende ver e só depois e em cima de tal ordem a inspiração individual, esta é uma eliminatória a não perder.

 

Atalanta vs PSG

 

A equipa revelação defronta a parada de estrelas francesa num caminho que se revelou mais “aberto” até à final de Lisboa, do que o que se poderia supor antes de realizado o sorteio.

A Atalanta de Gasperini à semelhança do Ajax da temporada passada é a única equipa em prova que opta por marcações individuais a campo inteiro. Tal disponibilidade física e agressividade no recuperar de cada bola não provoca apenas desconforto nos opositores, mas impede-os de ter bola de forma segura, de descansar em posse, e ainda permite recuperações que se interligam com ataques rápidos.

O sistema com três centrais que coloca o central de cada um dos corredores a ter enorme preponderância ofensiva é também uma fonte de desequilíbrios. Levam muita gente até ao corredor lateral e de lá iniciam desequilíbrio que termina em zona de finalização.

O PSG de Tuchel surgirá depois de uma longa paragem, e embora tenha muito mais equipa que o rival, tal poderá ser fatal. Neymar, Di Maria, Mbappé e Cavani apresentavam-se a um nível soberbo. Eficientes e eficazes em zona de criação, velozes a executar e a definir, o PSG demonstrou no período pré paragem ser mais do que uma equipa com bons jogadores. Impressionou pela disponibilidade de consagrados como Di Maria e Neymar equilibrarem também a equipa nos momentos sem bola.

O exacerbar do lado estratégico de Tuchel no confronto com o Dortmund, mudando agulhas na zona de criação por defrontar um sistema de três centrais, faz prever uma equipa que taticamente se apresentará bem definida e com ideias claras para travar os italianos.

Somente a menor rotação pela paragem forçada deixa dúvidas sobre se os franceses têm o que é preciso não apenas para chegar à semi final, mas também à final de Lisboa.