O Grande Prémio de Monza foi o fim de uma era.

Claire Williams, filha do fundador Sir Frank Williams, que substituiu em 2013 à frente da equipa, deixou a marca logo a seguir ao GP Itália. O CEO Mike O’Driscoll também anunciou a saída no fim da época.

(a escuderia foi vendida à Dorilton Capital, um fundo de investimento americano, no final de agosto)

 

https://twitter.com/WilliamsRacing/status/1302578437136224256

 

Acabou.

739 Grandes Prémios depois é o fim da Williams as we know it.

Foram 43 anos e muitas corridas – e alguns títulos: 9 de construtores e 7 de pilotos:

  • 1980 Alan Jones
  • 1982 Keke Rosberg
  • 1987 Nelson Piquet
  • 1992 Nigel Mansell
  • 1993 Alain Prost
  • 1996 Damon Hill
  • 1997 Jacques Villeneuve

A maior parte dos títulos da Williams surgiu nos anos 80 e basicamente 90. Foi aí também que a escuderia viveu o seu período mais negro.

Em 1994, no Grande Prémio de São Marino, em Ímola, Ayrton Senna morreu ao volante de um Williams.

Ao todo, a equipa de Frank e Claire Williams venceu 114 corridas. Mas o domínio nas pistas foi-se perdendo e a última vitória aconteceu em 2012, pelas mãos do venezuelano Pastor Maldonado, em Espanha.

A coisa piorou nos útlimos anos: 7 pontos em 2018, 1 ponto em 2019, zero este ano.