Lewis Hamilton é piloto de Fórmula 1 mas é ecologista (vendeu o avião que tinha para as viagens entre as provas, usa um Smart elétrico no dia a dia e está preocupado com o plástico a mais). É uma espécie de lento rápido, um ilustre desconhecido numa guerra pacífica que anda alegremente triste. Chega de oxímoros?

Eis Hamilton. Um poço de contradições que acaba de se sagrar campeão do mundo pela sexta vez (ultrapassou os 5 de Juan Manuel Fangio) e estando tão perto dos 7 de Michael Schumacher quer… desistir.

 

 

Sim, desistir.

13 temporadas no circo, 6 títulos e agora aos 34 anos quer ir embora. A razão?

É vegan, está preocupado com o ambiente e usa o Instagram para denunciar maus tratos a animais, acaça às baleias e golfinhos e a poluição dos oceanos. É isto que o faz desistir da Fórmula 1.

«Honestamente, sinto vontade de desistir de tudo. Desligar completamente. Porquê estarmos preocupados quando o mundo está numa confusão tão grande e as pessoas parecem não se importar? Vou tirar um tempo para juntar todos os meus pensamentos. Obrigado a todos aqueles que se importam com o mundo»

Dias depois tentou apagar o fogo. “Agradeço as vibrações positivas que enviaram. Eu não desisti, ainda estou aqui a lutar”.

 

 

Em que ficamos?

O que está no passado recente sabemos bem.

Foi o quinto título do britânico em seis anos de um piloto que encontrou o lugar para ele (na Mercedes), no momento adequado (a era híbrida) e foi aquele que conseguiu tirar melhor partido da superioridade da sua flecha prateada desde 2014 – sendo a única excepção o Mundial perdido para Rosberg em 2016.

Com Bottas ao seu lado Hamilton não falhou. Três em três para o único campeão negro da Fórmula 1.

No Texas sagrou-se o maior. Saía no quinto lugar mas bastava ser oitavo para levantar o caneco. Mesmo assim não se conformou – foi segundo, não conseguiu evitar o triunfo de um grande Bottas que passou o campeão a 3 voltas do fim com pneus novos.

 

Lewis, entre Juan e Michael

Hamilton foi entronizado sem a vitória na prova, mas não importava – estava feito o essencial: 19 corridas, 16 pódios, dez vitórias, 5 poles. Canja.

  • 248 Grandes Prémios
  • 87 Poles (Schumacher é segundo com 68)
  • 3399 pontos (Vettel é segundo com 2975)
  • 33 GP a pontuar consecutivamente (desde Japão 2016 e França 2018)
  • 144 Primeiras linhas (Shumacher é segundo com 116)

 

O que falta a Hamilton?

Título mundiais 
1. Schumacher 7
2. Hamilton 6
3. Fangio 5

Vitórias
1. Schumacher 91
2. Hamilton 83
3. Vettel 53

Pódios
1. Schumacher 155
2. Hamilton 150
3. Vettel 120

Voltas mais rápidas
1. Schumacher 77
2. Räikkönen 46
3. Hamilton 46

Vitória e volta mais rápida
1. Schumacher 48
2. Hamilton 26

Hat-trick (pole, volta mais rápida e vitória)
1. Schumacher 22
2. Hamilton 14

Grand Slam (pole, volta mais rápida e líder do início ao fim da corrida)
1. Jim Clarck 8
2. Alberto Ascari 5
3. Schumacher 5
4. Hamilton 5

Número de voltas como líder
1. Schumacher 5111
2. Hamilton 4409

Quilómetros como líder
1. Schumacher 22148
2. Hamilton 22317

Pódios consecutivos
1. Schumacher (2001-2002) 19
2. Hamilton (2014-2015) 16

GP líder do início ao fim
1. Senna 19
2. Hamilton 18

 

A Fórmula pop de Hamilton