Putellas está em todas.

Ela é a dominadora inquestionável nas duas principais distinções individuais de um futebolista.

Alexia Putellas, espanhola do Barcelona, juntou o troféu The Best da FIFA ao prémio da France Football.

Não há mais nada para além disto.

 

Bola de Ouro. O Chelsea foi o clube do ano mas o Barcelona ganhou tudo

 

Putellas e as outras

Putellas ficou à frente da companheira de equipa Jennifer Hermoso e da australiana Sam Kerr, do Chelsea.

E assume-se como a grande referência de um ano de ouro para a equipa catalã (que atravessa um período diametralmente oposto ao do futebol sénior catalão).

 

Um furacão chamado Barça no topo da Europa

 

Com ela (e com elas, acescente-se aqui também Hermoso) o Barcelona ganhou tudo na época passada:

  • La Liga
  • Taça da Rainha
  • Liga dos Campeões

Tudo competições em que Alexia se destacou com o seu pé esquerdo.

A espanhola fez 26 golos e 14 assistências, levando já 18 golos e 15 assistências na presente temporada.

 

 

Lewa tudo

Robert Lewandowski não descansa.

Perdeu a Bola de Ouro para Messi no mês passsado – e ouviu da voz do argentino que o polaco deveria ter ganho o prémio em 2020 – mas venceu agora o The Best.

Pela segunda vez.

 

 

Lewandowski repetiu a vitória de 2020, ganhando o prémio de melhor jogador masculino do ano.

O polaco superou Messi, que tinha ficado com Bola de Ouro da France Football, e de Salah.

 

Igual a CR

Lewandowski iguala Cristiano Ronaldo como únicos futebolistas a terem vencido este prémio por duas vezes – e viu premiado um ano no qual voltou a destacar-se ao serviço do Bayern e da seleção polaca.

 

 

Com 41 golos na Bundesliga, o polaco foi ainda o Bota de Ouro do futebol europeu, ajudando a equipa alemã a erguer a Bundesliga e a Supertaça da Alemanha.