Pena acabar agora.

Já antes tínhamos manifestado desagrado com esta ideia de Euro Sub-21 compartimentando, com uma fase de grupos pré-pascoal e uma fase final pré-santos populares, mas agora ainda mais nos queixamos, agora que vimos os nossos rapazes a — perdoem-me a expressão — partir a loiça toda menos queremos que que isto acabe.

Mais que não seja pela impossibilidade de ver os pupilos de Rui Jorge domar a bola.

A última oportunidade para tal acontece hoje às 17h00, em Liubliana, capital da Eslovénia, diante da Suíça, segunda classificada do grupo em igualdado pontual com a Croácia (3 pontos) apesar da derrota por 2-3 diante dos balcânicos.

Enterrada na mina está a Inglaterra, com zero pontos, para quem a qualificação não é impossível, mas quase.

 

A equipa de Boothroyd começou logo mal a competição, a perder com os helvéticos por 1-0.

De seguida, diante de Portugal, foi aniquilada por uma equipa lusa com pêlo na venta, mandona, a não dar espaço para respirar.

Se a coisa já estava pálida, mais ficou.

 

 

E agora talvez só um milagre diante da Croácia, algo que teria de passar por uma goleada à antiga e esperar uma vitória de Portugal diante da Suíça, aí sim coisa que parece bastante possível.

Para Portugal, só uma hecatombe nos tiraria o apuramento e o primeiro lugar do grupo.

Com duas vitórias e seis pontos, e um score de 3 golos marcados e zero sofridos, Portugal até pode perder com a Suíça por um golo (excepto 1-0 ou 2-1) em caso de vitória da Croácia à Inglaterra.

E se os balcânicos não ganharem à Inglaterra, qualquer resultado serve a Portugal.

Com especial destaque para um meio-campo bastante consistente, formado por Florentino, Gedson e Vitinha, e um ataque que é quase fechar os olhos e escolher três — ora vai Fábio Vieira, ora vai Dany Mota, ora vai Tiago Tomás.

Francisco Trincão e Pedro Gonçalves são claramente dois dos mais decisivos elementos deste grupo, isso sem dúvidas.

A defesa não fica atrás — bom, perdoem o paradoxo, a defesa só fica atrás no campo, na qualidade nada disso.

Diogo Dalot, Diogo Queirós, Diogo Leite e Thierry Correia têm estado intransponíveis, mas o enorme Diogo Costa na baliza.

 

Cruzamento com Itália ou Espanha nos quartos

São estes rapazes que, sendo primeiro, vão defrontar a Itália, segunda classificada do grupo B, com 5 pontos, menos dois que a Espanha, primeira do grupo, que se cruzará com o segundo classificado do grupo D, onde está inserido Portugal.

 

Alemanha e Holanda apuradas

Também Alemanha e Holanda estão já apuradas, embora a tarefa tenho sido altamente exigente, uma vez que enfrentaram uma perigosa e interessante equipa romena, que tal como as duas adversárias, chegou aos cinco pontos, mas por ter pior diferença de golos (3 golos marcados e dois sofridos) ficou fora dos quartos-de-final.

 

Dinamarca e França?

No grupo C, a Dinamarca está numa posição muito parecida à de Portugal, 6 pontos, contra três da Rússia e da França.

Os nórdicos defrontam os russos e a França a mais fraca Islândia, pelo que também aqui se discute muita coisa.

O primeiro classificado joga com a Alemanha e o segundo joga com a Holanda.

E depois vemo-nos em junho, de novo na Hungria e na Eslovénia. E antes do Santo António, de preferência.