Londres vai receber o jogo grande dos oitavos-de-final.

A poderosa Alemanha que agora se organiza com três defesas centrais, procurará explorar a superioridade na construção para ter mais bola e chegar mais vezes ao último terço contrário.

 

Hungria e o fatídico minuto 84

 

Com dois laterais fabulosos, capazes não apenas de fechar o espaço defensivo, mas terem uma participação ofensiva excepcional – Kimmich à direita e Gosens à esquerda – e com um meio campo de grande critério e qualidade em posse – Kroos e Gundogan – a equipa bávara chega ao último terço colocando cinco jogadores:

  • Havertz
  • Gnabry
  • e Muller
    (com a chegada dos dois laterais)

Os alemães vão assim para cima dos quatro defensores ingleses.

 

Inglaterra-Escócia, 25 anos depois de Gascoigne

 

O que fará Southgate?

Se Southgate não elaborar um bomm plano tático, a Inglaterra sofrerá para travar investidas contrárias.

Em 4x2x3x1, com Grealish nas costas de Kane, e a velocidade de ponta de Sterling acompanhando a definição de categoria de Foden, a equipa de Southgate embora em desvantagem tática tem argumentos nas zonas de criação e finalização de nível galáctico –  tal ajudará a complicar as contas da partida.

 

Inglaterra, de derrota em derrota até…?

 

Não precisará de exercer domínio intenso para materializar em golos o seu jogo, naquele que é um confronto que promete emoção, golos e reviravoltas!

 

Figuras

Harry Kane

Goleador, Capaz de surgir em apoio para libertar espaços para as entradas dos alas – Assim marcou Sterling! – e trabalhador incansável em momento defensivo, Kane joga e marca.

Gnabry

Velocidade de execução estonteante, e capacidade de desequilíbrio e finalizadora de alto recorte, o homem mais adiantado da Alemanha será verdadeiro perigo à solta.

 

Europeu? Um filme em que Pelé e Stallone resgatam a Europa dos nazis (numa partida de futebol)