A bola vai estar caríssima em Copenhaga.

 

Modrić, Kovacic e Brozovic de um lado, contra Sergio, Koke e Pedri do outro.

O confronto de 4x3x3 entre duas equipas de estilos próximos promete um dos jogos mais
aprazíveis da competição.

 

À boleia da trivela de Modrić

 

Ambas as equipas renascidas depois das entradas em falso no Europeu.

Dotadas de criatividade e qualidade técnica como poucas outras, diferenciam-se pela maior qualidade em posse que a linha defensiva de Espanha denota.

Laporte e Eric García trazem o jogo para o lado espanhol pela forma como na construção entregam bolas limpas à linha média.

 

A goleada da Espanha caiu do céu (e das mãos de Dubravka)

 

Moreno, Sarabia e Morata

Porque é atrás que o jogos se constroem e daí se cria e finaliza, a dupla de centrais da Espanha bem poderá ser o ponto de vantagem de “nuestros hermanos” para tomar as rédeas da partida e dar a Gerrard Moreno, Sarabia e Morata os lances suficientes para traduzir superioridade no marcador.

Sem nunca ignorar que Perišić é sempre eficaz nas áreas adversárias – mas o croata apresentou sintomas de covid e está excluído da partida.

 

Figuras

Pedri

Talento, Criatividade, Criação.

O jovem do Barcelona mexe com o jogo nos espaços entrelinhas e poderá ser o desequilibrador de serviço.

Modrić

Desenleou o jogo com a Escócia com uma “trivela” mágica.

Tremendo no início, meio e fim dos ataques, o médio croata continua a tomar as rédeas da posse das suas equipas.