Isto começa sempre com o melhor cardápio. Alguns dos melhores pratos no mundo dos pratos.

Depois os pratos vão caindo, o vidro vai ficando no chão e como um certo festival de cinema que perde os seus oradores-vedeta, o Millennium Estoril Open ajusta-se à sua realidade.

 

Ficam os outdoors que já não têm remédio, as promessas de jogadores do top10 do ranking ATP, e a ideia, para quem talvez esteja menos atento à modalidade, que Portugal tem a capacidade de atrair os melhores.

Bom, apesar de tudo, o elenco tem jogadores bastante interessantes e se é o que temos viva.

 

El Peke, Monfils, Fognini — e este, depois do que andou a fazer ultimamente ainda bem —, Carreño-Busta desistiram do torneio luso e agora os quatro primeiros cabeças-de-série, que estão isentos na primeira ronda, são: Denis Shapovalov. Garin, Ugo Humbert e Kei Nishikori.

Os restantes pré-designados são Bublik, Cilic, Albert Ramos e Davidovich Fokina.

 

Quanto à armada lusa, temos dois representantes. João Sousa, número um nacional, recebeu um wild-card para defrontar Cameron Norrie, canhoto britânico com uma excelente capacidade técnica e toque de bole, que pode servir-se dos efeitos criados pelos canhotos para causar dificuldades ao campeão de 2018.

Embate que só decorre amanhã e cujo vencedor jogará com Pedro Martínez ou Alexander Bublik.

 

Mas a grande notícia do Millennium Estoril Open veio da qualificação. Nuno Borges —que ainda há pouco tempo disputou a sua primeira final de um Challenger em Oeiras, estando inclusive muito perto da vitória — despachou Liam Brody e, de forma surpreendente e categórica, o espanhol Roberto Carballes Baena, a sua primeira vitória sobre um top100 mundial.

O actual número 331 do ranking ATP jogou a sua primeira fase de qualificação de um torneio ATP e à primeira estreia-se num quadro principal, onde hoje, se não chover, a partir das 13h10, defronta Jordan Thompson, australiano detentor de um dos melhores bigodes do circuito e número 59 do mundo.

 

O facto de o ex-número 1 do circuito universitário norte-americano, tendo ganho 189 encontros nos quatro anos em que esteve na universidade Mississipi State, estar já onde nunca esteve é suficiente para ser indicado como a grande surpresa do torneio e talvez do ano, no que ao ténis nacional diz respeito, que já teve melhores anos, tendo visto João Domingues, Pedro Sousa e Frederico Silva serem eliminados na qualificação do torneio português — Fred chegou a liderar diante de Jaume Munar, na última ronda, mas foi incapaz de bater o maiorquino que está a jogar muito bom ténis.

Nuno Borges, se vencer Jordan Thompson, tarefa de alta dificuldade, jogará diante de Alcaraz ou Cilic, o jovem prodígio ou o velhote vencedor de majors — qualquer das hipóteses parece bem.

O que é certo é que para o primeiro dia no Clube de Ténis do Estoril tem jogos bem interessantes:

  • Kevin Anderson e Frances Tiafoe devem protagonizar um duelo de forças ao fundo do court;
  • Chardy e Munar são confrontos de estilo, o francês mais agressivo e à rede, o espanhol mais técnico e à procura de winners certeiros;
  • e Cilic e Alcaraz, que deve ser encarado como encontro do dia e que vai, seguramente, colocar Cilic em sentido, apurar o seu momento de forma.