Sim, sim, o Liverpool, o Man. City e o Man. United ou o Chelsea é que interessam, mas não vale a pena meter a carroça à frente dos bois.

Pois bem, iniciando este texto com expressões portuguesas (e animalescas), o melhor é mesmo virarmo-nos para a equipa que promove o seu felino, neste caso, um lobo.

O Wolverhampton, que está, actualmente, em 13º lugar na Premier League, é comumente apelidada da equipa mais portuguesa de Inglaterra. Tem Ruben Neves, João Moutinho, Rui Patrício, Daniel Podence ou Fábio Silva.

E apesar dessa ser uma mais valia – nem que seja para fazer títulos noticiosos no nosso pequeno burgo, este clube não se esgota nesse feito.

Tem outros miúdos com talento, que podem muito bem vir a dar cartas num futuro próximo. Vamos conhecê-los. Não literalmente, claro, que o digital ainda não permite estar cara a cara com desconhecidos.

 

Max Kilman

Comecemos por Max Kilman, defesa de 23 anos, que já leva 10 épocas com a camisola do Wolves e está no clube desde 2018/2019.

Antes, fez carreira no Maidenhead United (que está numa liga amadora), ao mesmo tempo que tinha um part-time como jogador de futsal. Estreou-se no palco grande a 4 de maio de 2019 contra o Fulham nos instantes finais.

 

 

Tornou-se no primeiro jogador a transitar de um campeonato não profissional para um profissional desde Chris Smalling em 2008.

Já agora: apesar de parecer estar a apreciar a experiência no Wolves, não descarta que possa, um dia, vir a jogar na Rússia e na Ucrânia.

Porquê? Porque os pais são de lá e chegou mesmo a ficar em Moscovo, por exemplo, como descrito pela BBC.

 

Taylor Perry

Vamos descer a fasquia?

Vamos, mas só da idade: Taylor Perry, 19 anos, centrocampista. Está há 11 anos no clube.

O mais provável em dezembro era ser emprestado, até porque anda a jogar mais no sub-23, não contado ainda com a estreia oficial pela equipa principal conduzida por Nuno Espírito Santo.

 

Já Luke Cundle, de 18 anos, tem outra história para contra: estreou-se este verão no escalão principal na Taça Carabao. E até está lá há seis anos, muito menos do que Taylor.

A sua alcunha? Cundlinho. Sim. É isso. Repita mais uma vez que só lhe faz bem.

Apoiava o United quando era miúdo – disse ele ao site oficial do Wolves – e gosta de jogar Fifa e dardos.

Caso a carreira futebolística não lhe corra bem, quer mesmo dedicar-se aos comandos. E como estamos numa de curiosidades, mais vale dar uma: o filme preferido é o “Taken”. Pronto. O melhor é passar para o próximo jogador.

 

Owen Otasowie

Vamos terminar com Owen Otasowie, o médio que anda a fazer furor até nas redes sociais – e que até já dizem que o Everton, o Liverpool e o Arsenal andam atrás dele.

O americo-nigeriano estrou-se a 21 de dezembro do ano passado, depois de Fábio Silva e Rayan Ait-Nouri, fazendo assim parte do grupo de miúdos que Espírito Santo decidiu lançar.

Começou a carreira na Academia Mass Elite, a seguir foi para o West Ham United.

 

 

Mas 2020 não foi só o ano em que se estreou na Premier League, não. Vestiu a camisola dos Estados Unidos da América diante do País de Gales e do Panamá, em novembro.

Tudo com 19 anos (agora com 20 anos) e 1,88 metros – sendo que só começou a jogar com apenas 14 anos.

Foram públicas as imagens do seu físico de meter medo – e do seu golo diante do Chelsea – por isso, cuidado Adam Traoré (o clube parece um ginásio, realmente).