É assim estilo black friday ou Pingo Doce no Dia do Trabalhador, mas com descontos menos acentuados, claro.

O mercado de transferências fechou e deu-nos uma última ceia de alta intensidade, carrossel de emoções, digna do mais hollywoodesco dos filmes.

Terminada a sessão de cinema, não há volta a dar, estes são os plantéis que os treinadores têm até Janeiro, portanto, aguentem-se.

 

Sporting

Em Alvalade, o último dia trouxe agitação.

Nuno Mendes, pérola da equipa, rumou ao galáctico PSG num negócio que parece envolver um pagamento de 7 milhões pela cláusula de empréstimo e 40 milhões de cláusula de compra obrigatória no final da temporada — só para Nasser Al-Khelaifi ter tempo de remediar o fair-play financeiro, percebem?

Quem manda no mundo é assim.

 

 

Mas francamente positivo para o Sporting é Sarabia fazer o percurso inverso de Nuno Mendes, o espanhol aumenta e de que maneira a qualidade do plantel do Sporting e chega à Liga Bwin, em teoria, com o estatuto prévio de jogador mais talentoso do campeonato.

Grande passe a rasgar de Hugo Viana que muito deve satisfazer Amorim e Varandas.

 

Benfica

Os encarnados lá conseguiram impingir Vinícius a alguém — ruma ao PSV num empréstimo de duas épocas que consagra uma opção de compra no valor de 10 milhões de euros que será obrigatória no caso do cumprimento das cláusulas previstas.

O que é que isto quer dizer? Só Deus sabe.

O facto é que lá foi o rapaz que Jesus sempre disse não ter nada contra, ainda que tenha privilegiado a utilização de Rodrigo Pinho em relação à de Vinícius.

O lote de 453 avançados continuou por cá. Não chegou mais nenhum sérvio, o que é francamente de estranhar, e, vá lá, chegou Valentino Lazaro lateral/ala direito via Inter de Milão que pode ser uma opção interessante para Jorge Jesus sobretudo quando optar por jogar com três centrais. Chiquinho foi cedido ao Braga.

Florentino já tinha partido para o Getafe — empréstimo com opção de compra. João Ferreira rumo ao Vitória de Guimarães. E Jota rumo ao Celtic. Rapaziada nova é que não.

 

FC Porto

O FC Porto continua a surpreender, nem que seja pela falta de estratégia alucinante ou pela incompreensão dos seus movimentos.

Desde o início da temporada que Sérgio Oliveira e Corona estão arredados das opções de Sérgio Conceição, treinador que sempre disse que isso era uma opção sua, apesar de Corona ter estado com pé e meio no Sevilha e de Sérgio Oliveira ter sido falado de forma insistente para a Fiorentina e Tottenham.

A grande estrela da equipa neste momento parece ser o centrocampista Bruno Costa, formado no Porto e entretanto resgatado ao Paços de Ferreira, que tem encostado Sérgio Oliveira, Grujic e até Vitinha, outro dos enormes valores do FC Porto que toda a gente dizia que ia sair, acabou por ficar e provavelmente vai acabar a jogar na equipa B como se de um jogador qualquer se tratasse.

Mas isto é, provavelmente uma visão demasiado pessimista. Sérgio Conceição deve ter adorado este final de mercado, onde conseguiu ficar com Corona, Sérgio Oliveira e Luis Díaz, embora os dois primeiros até então não servissem para ser titulares no seu Porto.

Pelo caminho emprestou Diogo Leite ao Braga e Romário Baro ao Estoril, porque já não tinha lugar para tantos médios na cantina do Olival.

 

Movimentações internacionais

Diz-se por aí que o PSG recusou 200 milhões do Real Madrid por Mbappé, o prodígio que está a um ano de terminar contrato e que seguramente pode partir a custo zero depois deste acontecimento. Isto parece o PSG a querer garantir que este ano ganha a Liga dos Campeões — esperemos que não despeçam Pochettino em Dezembro e ele vá para outro clube ganhar a Champions.

Griezmann, que não estava a render nem parecia estar satisfeito no Barcelona, regressa ao Atlético de Madrid. Uma bomba de transferência neste último dia.

Do Atlético para o Chelsea foi Saul Ñíguez, num reforço de luxo para Tuchel atacar o título inglês. Para colmatar a saída de Griezmann, o Barcelona foi buscar Luuk de Jong ao Sevilha, numa contratação que só demonstra os problemas do clube catalão com o fair-play financeiro.

O Real Madrid, à falta de Mbappé, assinou com a jovem francesa Camavinga. O extremo Hélder Costa rumou ao Valência.

E ainda: o Arsenal contratou o defesa japonês Takehiro Tomiyasu. Quem? Pois.

Um defesa de 22 anos, com experiência de sobra e que seguramente vai resolver todos os problemas do clube londrino.