Ainda que estejamos em tempo de crise, o dinheiro não para de rolar no futebol.

Desde o regresso milionário de Jorge Jesus ao Benfica ao esforço tremendo (se é que é verdadeiro) de trazer Edinson Cavani (33 anos), um dos melhores avançados do mundo para Portugal – e que também está a ser associado, imagine-se, ao Leeds, que está de regresso à Premier League, 16 anos depois.

É certo que os jornais portugueses gostam muito de fazer uma espécie de leilão de superestrelas, sem qualquer sustentação, apostando forte no bitaitismo, todos os anos:

  • Buffon vinha para o FC Porto – veio Iker Casillas
  • Erik Lamela também já esteve associado aos dragões
  • Ronaldo vai acabar a carreira no Sporting – então não vai?
  • Maradona vinha também para os leões (em 2013)
  • Gotze seria outro jogador que, ao lado de Julian Weigl, viria para o Benfica – se fizer a pesquisa, até encontra que Haaland (sim, esse mesmo do Borussia de Dortmund) foi recusado pelo clube da Luz
  • Diz que Messi também está perto de se mudar para o Vitória de Setúbal e que Bielsa aceitou vir salvar o Desportivo das Aves
  • Neymar vai comprar o Famalicão
  • e Joe Berardo quer comprar os três grandes para fazer uma coleção, mas garantindo que não tem nada seu

Tente descobrir quais destes rumores são veradeiros. É um bom jogo para jogar em família.

Então se escrever as palavras “prodígio” tem aí assunto para a semana inteira, caro leitor.

Vendem-se jornais, mas os clubes portugueses comprarem jogadores com um grande carimbo internacional, isso é que já não.

 

Não sabemos se compensa mais ir à bruxa ou comprar jornais desportivos. Qual deles adivinha o seu futuro da forma mais apurada? Será que têm a chave do euromilhões? É gastar dinheiro e rezar. Ou adquirir Calcitrin, que salva de todas as maleitas.

Já sabemos que, em ano de eleições, quem manda quer sempre captar mais votos.

 

É por isso que agora se suspeita que o Benfica quer Edinson Cavani, que no PSG é o terceiro mais bem pago do plantel, ganhando à volta de 18,4 milhões de euros por época – e que agora parece poder sair a custo zero, principalmente porque o clube francês não aceitou as exigências financeiras do uruguaio, que está em final de contrato.

Já Jorge Jesus vai ganhar, aparentemente, três milhões limpos na Luz ou seja, metade deste craque sendo que por muito bom que Cavani seja, não é o Rei do Brasil, nem terá tanta longevidade como jogador como JJ tem como treinador.

 

E se estes 18 milhões de euros não estiverem certos, basta pensar no que ganha por mês: 1, 5 milhões de euros brutos, segundo a imprensa francesa.

Faça lá as contas… dá 18, não é? Pois.

E ainda mais curioso é que no último semestre de 2019 os encarnados, que aumentaram as remunerações fixas, gastaram 31 milhões de euros com o salário de jogadores, treinadores e restantes trabalhadores.

Portanto, Cavani, custaria mais do dobro que esta gente toda num ano. Ok, não é semestre, mas não deixa de ser coisa para arregalar os olhos.

E o que terá Cavani de tão especial?

Bom: tudo. É que JJ gosta de avançados grandes (lembra-se de Slimani, também agora associado ao Benfica? Ou de Oscar Cardozo? Pois) e o uruguaio encaixa perfeitamente nesse perfil.

Basta passar na folha de registo dos clube por onde passou – Palermo, Nápoles e PSG – para perceber que raramente fez menos de 30 jogos e raramente marcou menos de 20 golos por época.

Agora, será essa possibilidade real?

Segundo o empresário do melhor marcador de sempre dos parisienses, sim. Não sabemos se terá a ver com o facto de Cavani estar numa rota descendente, já que se tornou na terceira escolha de Tuchel e que, esta época, fez apenas 22 jogos e sete golos, vítima de algumas lesões.

Chegou ao PSG em 2013 por cerca de 64 milhões de euros – só Suarez o conseguiu ultrapassar, quando se mudou para o Barcelona por cerca de 81 milhões de euros.

Ganhou 21 títulos pelo clube (seis vezes a Ligue 1) – e um “Óscar” do futebol francês em 2017 mais o título de melhor jogador estrangeiro em França em 2016 e 2017 -, só faltando mesmo uma Liga dos Campeões.

É o melhor goleador uruguaio em competições europeias e o melhor marcador na Champions pelo PSG.

Ao todo, já leva 15 temporadas e 353 partidas no bolso.

Além disso, conquistou uma Copa América em 2011 (sendo suplente qusae sempre), um título no escalão principal pelo Danubio em 2007, e, em Itália, ainda levou uma Taça de Itália pelo Nápoles, fazendo 104 golos em 138 jogos.

Seria bom para os adeptos benfiquistas dar um pouco a conhecer a vida pessoal do “Matador” mas a verdade é que o homem é muito reservado.

Segundo a imprensa francesa, Cavani gosta da natureza, de pescar, de ler e é um apaixonado por pássaros. E gosta de catolicismo, já que confessou ter estudado a Bíblia pelo Skype em 2011.

Além disso, há dois anos estava a estudar agronomia no Instituto Plan Agropecuario. Aliás em 2014 admitiu mesmo que “estava a estudar para ser agrónomo”.

A ideia será um dia, quando pendurar as botas, voltar para o Uruguai, abrir uma empresa e ajudar o país. “A agronomia é o que me permite estar calmo, a disfrutar o dar livre”, disse em entrevista, citado pelo El Observador. A ver vamos, Edinson pode sempre voltar a dar o salto para Salto, a sua terra.

Obviamente que Luís Filipe Vieira pode sempre inaugurar uma horta no Seixal para que Cavani prossiga o seu sonho, dando uma perninha nas águias.

Só esperemos que o uruguaio não dê com o nome do campo de treinos do FC Porto (Olival), se não o mega craque ainda acaba no Norte do país.

O que eu sugiro é que LFV vá ler a biografia de Cavani (escrita por Romain Molina) e comece já a ver se é possível que António Costa lhe dê uma parte do dinheiro a fundo perdido que Portugal vai receber da União Europeia.

Porque, para além do uruguaio poder vir ajudar o Benfica a chegar mais longe na Champions, também pode ajudar o país na agricultura. Como isto está, só mesmo a terra para nos salvar.