A parceria entre o Lateral Esquerdo e a Moosh.pt para o “Desafie o Perito” continua e esta semana avançamos com as escolhas da equipa do LE para as próximas jornadas das várias Ligas europeias.

 

 

Génova vs Inter de Milão

Enquanto o Genoa de Sturaro, Pinamonti e Pandev procura firmar-se na Série A, o ultra competitivo e competente Inter de António Conte abeira-se do segundo lugar da classificação.

O 4x4x2 de Davide Nicola tem dado frutos dentro de casa, mesmo que o Genoa baixe as suas linhas e adopte uma postura mais conservadora, esperando o momento / timing para sair para pressionar, roubar e acelerar com espaço.

Do outro lado, o Inter é uma das equipas mais bem definidas taticamente de toda a Europa. O 3x4x1x2 possibilita início de construção sempre bem elaborada, com linhas de passe ao redor do trio de trás. As ligações são constantes e a chegada ao último terço assegurada. E é quando há espaço, seja em ataque posicional ou em contra ataque, que Borja Valero nas costas dos avançados Lukaku e Lautaro ou Alexis acelera o jogo e permite criação aos nerazzurri.

Um jogo que para lá da competência tática trará a competitividade de quem almeja mais na tabela classificativa.

 

Nápoles vs Sassuolo

Apenas um lugar separa a equipa da casa do Sassuolo na tabela.

Quatro triunfos consecutivos no período pós paragem fizeram emergir a equipa de Roberto De Zerbi, que se deslocará a Napoles para defrontar também uma das equipas que mais cresceu durante a paragem.

O Napoles de Gattuso tornou-se uma equipa mais “cínica”, pela forma como troca demasiadas vezes o controlo com bola pelo ofertar da posse ao adversário, enquanto fecha todos os espaços de acesso à sua baliza e coloca a energia nos momentos pós recuperação. Callejón, Mertens e Insigne, com Ruiz nas costas são sempre uma atração, e prometem definição de alto quilate em qualquer momento do jogo.

Do outro lado o Sassuolo é uma das equipas mais apaixonantes com bola da Série A. Confortável na classificação diverte a audiência, atrai oponentes à pressão e sair com bola dominada até ao último terço. Ideias de equipa grande num jogo que possivelmente dominará mesmo sendo o “nome” menos “forte”. Mas, tal não será necessariamente garantia de sucesso. Afinal, o Napoli de Gattuso hoje tem argumentos para vencer mesmo quando não domina.

 

Benfica vs Sporting

Super dérbi de Lisboa entre duas equipas feridas.

O Sporting cresceu pontualmente com Rúben Amorim e está à distância de um ponto um lugar no pódio. O 5x4x1 com que se fecha em Organização Defensiva é competente sem bola e traz dificuldades enormes de criação aos oponentes pela forma como os cinco de trás não permitem enquadramento e consequentemente passes que solicitem chegada às costas no último terço. É no plano ofensivo que o Sporting tem para crescer. Entre dificuldades individuais e um modelo previsível com bola, será nos contra ataques que Jovane poderá trazer dificuldades ao Estádio da Luz, onde o Benfica procura preparação da final da Taça sem deixar de dar uma boa imagem perante opositor.

O 4x4x2 de Veríssimo tem na capacidade de recuperação de Florentino e Gabriel os pontos que alimentam a transição ofensiva onde Rafa Silva promete desequilíbrios. Em ataque posicional a presença de Chiquinho entre linhas apimenta as jogadas encarnadas e poderá ser o elo de ligação entre a criação e o momento de finalizar. Um dérbi sem a chama de sempre, mas com rivalidade e competitividade como nunca.

 

Marítimo vs Famalicão

O 3x4x3 de José Gomes devolveu o orgulho às hostes madeirenses. Saída a três, primazia pela aceleração pelo corredor direito onde Nanu ganha profundidade e um ataque com Xadas, Pinho e Edgar Costa prometem problemas a um Famalicão que está a uma vitória de uma presença Europeia.

A equipa de José Pedro é uma das atracções da Liga na presente época. Uma equipa muito jovem recheada de talento recrutado nas melhores equipas nacionais e Europeias.

Em 4x3x3 com grande capacidade de ligação interior e exterior, chega com classe ao último terço pela forma como Pedro Gonçalves e Racic descobrem caminhos, e ai a velocidade de execução e de passada de Diogo Gonçalves combinada com a destreza de Fábio Martins alimentam Toni Martinez.

Um jogo de qualidade que a Primeira Liga dará ao mundo no próximo fim de semana.

 

Braga vs Porto

Quebrou totalmente a equipa dos arcebispos depois da partida de Rúben Amorim. Indefinida entre a troca de modelo ou a permanência nas ideias que tão bom resultado deram, jogará a última cartada na tentativa de chegar ao pódio.

O 4x4x2 voltou a ser o sistema habitual e o Braga até resgatou André Horta, um médio capaz de pensar o jogo e ter impacto também defensivo, ainda para mais ao lado de João Palhinha, aquele que foi o melhor seis da Liga durante um largo período. Com Trincão e Horta nos corredores laterais e Paulinho na frente de ataque, agora sem o lesionado Rui Fonte, promete muita réplica aos campeões nacionais.

Em Braga pensando na final da Taça, a equipa de Sérgio Conceição não perderá competitividade, tão pouco preparará de forma leviana a partida.

Em 4x4x2 com Marega sempre ligado na procura de receber bola em profundidade e com Alex Telles a assumir preponderância gigantesca em cada bola parada, o Porto não precisa sequer de ser uma equipa de grande criação para fazer golos precisamente porque as suas bolas paradas são um ponto de vantagem pouco comum em todo o futebol mundial.

Uma partida de elevado nível que servirá também para conhecer ainda melhor os jovens dragõezinhos que Sérgio vai lançando.

 

Vitória Setúbal vs Belenenses

O espanhol Velazquez deixou o Vitória numa posição deveras confrangedora e a cidade de Setúbal receberá o Belenenses SAD na última partida da Liga, com o espectro da descida bem presente.

Só a vitória salva garantidamente os setubalenses e como tal o 4x2x3x1 agora de Lito deverá voltar a uma matriz ofensiva e sobretudo de grande agressividade.

As correrias loucas quando encontra espaço de Hildeberto deverão contagiar uma equipa órfã de um estádio que estaria em ebulição se tal fosse possível. A competência defensiva e a agressividade deverá marcar a matriz do jogo setubalense. João Meira, Jubal e Artur Jorge, os homens da retaguarda que na bola parada procurarão trazer a felicidade para Setúbal.

Do outro lado e já seguro Petit guiará um Belenenses em 5x3x2 que foi capaz de em Braga pontuar e logo de seguida bater o Gil Vicente. Varela, Licá e Marco Morais são os homens que procurarão os espaços livres, aproveitando o obrigatório balanceamento ofensivo de uma equipa bem perto do desespero.

Competitividade em dia de grandes decisões num jogo a não perder.

 

Leicester vs Man Utd

A presença na Champions decide-se a norte. O final de temporada assombroso do United sofreu o abalo da pesada derrota em Wembley para o Chelsea na meia final da FA Cup, e a expectativa sobre como se apresentará em Leicester cresceu.

Deverá retomar o sistema com quatro defesas, deixando cair o sistema utilizado na FA Cup. Em 4x2x3x1 trará de volta Pogba e Matic para as costas do magnifico Bruno. Um meio capaz de grande rotação defensiva e ofensiva, criador e finalizador, enquanto na frente Martial e o eficaz Greenwood esperarão a criação dos colegas para acelerar e definir.

O Leicester perdeu todo o largo avanço que tinha depois de lesões de Ricardo e ausência de Madison e a recepção ao United marcará a última oportunidade para manter um lugar que nem “era seu por direito”.

Agora em 3x4x3 a equipa de Brandon Rodgers deverá fechar-se em Organização Defensiva e procurará a velocidade de Jamie Vardy, o ponta de lança que tem qualidade para trazer dificuldades a Maguire e Lindelof.

Grande decisão para a última jornada num jogo a não perder na Premier League.

 

Crystal Palace vs Tottenham

A recuperação incrível do Tottenham de Mourinho terminará a sua aventura em Palace à procura da chegada ao top6. O 4x4x2 de Roy Hodgson soma sete derrotas consecutivas, e nem o avançado Zaha consegue disfarçar o momento terrível que a equipa atravessa. São seis jogos sem somar golos nos últimos sete e a previsão de uma equipa com linhas baixas procurando contrariar pontos fortes do Tottenham.

A matriz tática da partida deixará a equipa de Mourinho, previsivelmente sem chances de poder contra atacar, momento em que Son e Kane têm muito impacto.

Em 4x4x2 no momento defensivo com Lo Celso próximo de Kane, a equipa de Mourinho coloca Son próximo do incrível Kane, procurando estabelecer um jogo de execução veloz mais apoiado na chegada pelo corredor esquerdo, mesmo que o coreano seja também ele extraordinário na procura do espaço em profundidade, enquanto no corredor oposto Lucas Moura explora toda a sua capacidade física para criar depois de eliminar lateral adversário.

Um jogo onde os Spurs procurarão encerrar a temporada confirmando a subida de produção no período Mourinho, e ainda mais no período pós pandemia.

 

Newcastle vs Liverpool

O Newcastle de Steve Bruce soma cinco jogos consecutivos sem vencer e cada vez mais se organiza com tração à retaguarda com o intuito de somar pontos.

O sistema com três centrais que pontificam também na saída para o ataque terá o condão de garantir igualdade numérica no momento em que o Liverpool sair nos seus poderosos contra ataques com o trio ofensivo – Salah, Mané e Firmino – e tenderá a equilibrar a partida no momento em que a equipa de Klopp é mais forte. Com bola, porém, as dificuldades do Newcastle agudizam-se. Perdido entre a menor qualidade individual e a impreparação para ser uma equipa de ataque posicional, terá tremendas dificuldades para sair da rectaguarda, perante um Liverpool que voltou com a matriz tática de sempre mas sem o foco de outrora.

Fabinho, Wijnaldum e Keita serão os homens da pressão no corredor central, espaço onde Klopp prioriza a recuperação da bola, e os responsáveis por encontrarem o pensador Firmino quer em contra ataque, quer em ataque posicional.

O avançado brasileiro é quem melhor alimenta a velocidade dos alas dos “Reds” que têm a particularidade de definir os lances em velocidade como poucas outras equipas na realidade Europeia.

Na época que fica marcada pelo regresso da glória a Liverpool, Klopp não abrandará no jogo da coroação.

 

Boavista vs Rio Ave

A equipa de Daniel Ramos deu vida ao Rio Ave empatando em Famalicão na jornada transacta e agora procura repetir façanha. Em 3x4x3 Daniel Ramos encontrou a fórmula para estancar derrotas recentes.

Expectativa de agressividade defensiva e encurtamento de espaços enquanto Heri, Sauer e Bueno procuram com espaço aproveitar balanceamento ofensivo do Rio Ave.

A equipa de Carvalhal apresentar-se-à naturalmente dominante e controladora. Tem mais argumentos colectivos e individuais e ainda precisa dos três pontos para chegar a um lugar Europeu.

Com Dala, Nuno Santos e Taremi na frente de ataque o Rio Ave torna-se capaz e perigoso também em ataque posicional. Joga com espaço e sem, invade zonas de criação e chega com qualidade à zona de finalização pelos movimentos e capacidade de definição de Taremi.

Ver o Rio Ave da presente época jogar é uma obrigação, e a matriz tática de um Boavista resguardado e competitivo apimentará a partida.