A parceria entre o Lateral Esquerdo e a Moosh.pt para o “Desafie o Perito” continua e esta semana avançamos com as escolhas da equipa do LE para as próximas jornadas das várias Ligas europeias.

 

Derby County vs Leeds

O acesso à Premier League passa por aqui.

O Derby de Philip Cocu procura um jogo menos britânico e também por isso coloca Rooney no duplo pivot do seu 4x2x3x1, procurando alimentar as chegadas ao último terço. Menos veloz mas ainda capaz de definir a nível altíssimo Rooney é ainda a grande atração do Derby, que chega a um confronto importante depois de três derrotas consecutivas.

Do outro lado e depois da “tragédia” da temporada passada, o Leeds de Bielsa e Hélder Costa está a um passo da Premier League.

A paragem pela pandemia não arrefeceu nem o jogo nem os resultados do Leeds, que alicerça na agressividade defensiva que lhes permite vencer duelos e impedir conforto adversário em posse, e na mobilidade e jogo colectivo muito do seu poderio.

Mais uma oportunidade para seguir o percurso de Bielsa até à Premier League.

 

Nápoles vs Udinese

A equipa de Gattuso procura a presença na Liga Europa na temporada vindoura, e os tempos mais recentes têm mostrado um Napoli muito competente táticamente.

Parte de 4x4x2 bem armado defensivamente, e bem próximo da imagem do seu treinador. Muita empenho nas tarefas sem bola, voluntarismo e entreajuda, que em cima da organização competente tornam extremamente complicado fazer golos à equipa de Gattuso. Defende e ataca sempre com a mesma rotação e no meio tem Ruiz, um médio extraordinário, capaz de fazer chegar a bola em boas condições nos ataques rápidos aos jogadores que na frente desequilibram – Mertens, Insigne e Callejón.

Do outro lado, a Udinese ainda procura assegurar pontualmente a manutenção, e também por isso a previsão de um jogo de enorme competitividade. O 5x3x1 de Luca Gotti tem o condão de encurtar os espaços e aumentar dificuldades criativas aos adversários. Corredores entregues ao “velho conhecido” Marvin Zeegelaar e ao dinamarquês Larsen que alimentam os pontas Okaka e Lasagna, sempre com um jogo exterior bastante acentuado.

Expetativa de uma partida tática na forma como organizações se bloqueiam, esperando o toque individual para o desbloqueio.

 

Sheffield United vs Everton

Dez pontos nos últimos doze em disputa são um registo extraordinário de quem ainda para mais encontrou o Tottenham e o Chelsea pelo caminho.

O 3x5x2 de Chris Wilder que se transforma numa linha de cinco a defender prima bastante mais pela organização e concentração defensiva do que pelo talento individual embora tenha no excelente Norwood o barómetro de toda a matriz táctica da equipa. Agressivo e capaz de interceptar inúmeras bolas, é das suas recuperações que o Sheffield inicia os ataques rápidos.

A recepção ao Everton não é apenas uma oportunidade para colar no topo da tabela e provar ser a equipa revelação da Liga, mas também um jogo perante um adversário ferido no seu orgulho e à procura de crescer na tabela e no seu jogo com Carlo Ancelotti.

O 3x5x2 utilizado em Wolves não trouxe os resultados esperados e é possível que Ancelotti volte ao modelo habitual que se alicerça na forma como André Gomes e Sigurdsson pensam o jogo e o aceleram para Ricarlison definir.

Competitivo e de matriz tática acentuada, uma partida a não perder na Premier League.

 

Juventus vs Lazio

A Lazio chegou ao período pós paragem a apenas um ponto da Juventus, mas um recomeço totalmente em falso deixou a equipa laziale completamente fora do título e retirou-lhe o peso da deslocação a Turim. Do outro lado a Juventus hoje está mais confortável e com um pé no título, mas viu a Atalanta aproximar-se.

Quatro derrotas em seis jogos marcaram o período pós pandemia da equipa de Simone Inzaghi, que todavia não perdeu as suas competências táticas. O sistema com três centrais dá saída perante uma Juventus que defende em 4x4x2 e sem agressividade defensiva nas linhas da frente, e possibilitará a chegada à intermediária onde Luis Alberto e Milinkovic-Savic procuram alimentar o goleador Immobile.

A Juventus marca o primeiro trabalho de Sarri em que o técnico se viu obrigado a abdicar do seu modelo original. Hoje, nem no momento defensivo mantêm o 4x3x3, embora guarde Douglas para defender alto com três e o faça baixar para a linha média para se fechar com quatro à frente dos quatro defesas.

Pouco agressiva sem bola, a velha senhora passará por dificuldades nos momentos defensivos. Contudo, com bola o talento de Dybala e a veia goleadora de Cristiano que não pára de somar golos, poderão fazer pender a balança para a equipa da casa.

Certeza de um jogo de grande nível e definições importantes na Série A.

 

Milan vs Bolonha

Mihajlovic desloca-se a Milão para enfrentar a equipa de Piolli, uma das mais interessantes em Itália no pós paragem.

O 4x2x3x1 do Milan parte de uma dupla de inegável valor na forma como alimenta as zonas de criação. Bennacer e Késsie jogam em apoio e servem Leão, Ibrahimovic e Çalhanoglu no último terço. Pelo chão, privilegiando apoios dos médios, ou procurando por cima Zlatan, o Milan tornou-se competente não somente no momento de transição, mas também em ataque posicional, mesmo que por vezes recorrendo a um jogo mais directo.

Do outro lado expectativa pelo encaixe táctico de um Bologna que também se organiza em 4x2x3x1. Confortável na classificação, o Bologna com Medel e Dominguez na protecção à linha defensiva promete agressividade e controlo dos espaços para impedir investidas adversárias.

San Ciro volta a ver o seu Milan a ter rendimento e a recepção ao Bologna promete ser mais um marco a não perder.

 

Bournemouth vs Southampton

Jogo para determinar a vida do Bournemouth na Premier, enquanto Southampton para além de respirar tranquilo, chega pós enorme resultado em Manchester, travando o United de Bruno Fernandes.

O 5x4x1 de Eddie Howe precisará de melhorar competência no seu ataque posicional para ferir um visitante confortável. Um perfil de jogo mais físico e mais defensivo tenderá a levar a partida para o campo da agressividade onde o ponta de lança Solanke esperará pelo jogo que chega das alas para definir.

O 4x4x2 de Ralph Hasenhuttl, tem evidentes competências táticas defensivas e agora também o talento de Danny Ings na frente de ataque.

Também em ataque posicional não é uma equipa particularmente criativa e tal tornará o jogo mais propenso a duelos, bolas divididas e primazia das bolas paradas no determinar do desfecho.

Um jogo de muitos milhões, pois é isso que vale uma permanência na Premier League.

 

Roma vs Inter Milão

Partidaça na capital italiana. Confronto entre duas equipas de grande nível, orientadas por técnicos de excelência com grande foco na vertente tática do jogo.

A Roma de Paulo Fonseca apresentou-se em Brescia com uma formação com três centrais, ao contrário daquele que tem sido o seu modelo habitual, o treinador português porque identificou lacunas alterou matriz tática e venceu.

Na recepção ao poderoso Inter que também se apresentará num sistema com três centrais (3x4x1x2), é possível que a Roma, até pelo factor casa volte ao 4x2x3x1 com a dinâmica habitual em construção, momento ofensivo em que sai a três com o baixar de um dos médios para o exterior dos centrais, enquanto aproxima Mkhitharyan das zonas de decisão, procurando acelerar o jogo para Zaniolo. Kluivert e Dzeko definirem no último terço.

Do outro lado, o Inter de Conte é uma das equipas mais padronizadas do futebol mundial. Tudo surge com o rigor de “regra e esquadro”, e embora tal facilite a identificação do padrão adversário, a competência com que os “nerazzurri” colocam em campo cada combinação ofensiva, torna muito complicado impedir a progressão com bola desde a retaguarda. Brozovic e Borja Valero alimentam Lukaku e Lautaro. E ainda há Alexis.

Saindo por cima onde Lukaku é referência para posteriormente jogar com os criativos de frente para o jogo, ou por baixo mesmo sob pressão, o Inter tem argumentos táticos e individuais para dividir o jogo na capital italiana.

Pela extrema competência de ambos os técnicos, quer nos seus modelos quer na preparação minuciosa de cada plano de jogo, quer pela atratividade de vários jogadores de nível europeu, a Roma vs Inter é um dos mais interessantes e aprazíveis confrontos de seguir no fim de semana na Europa do futebol.

 

Man Utd vs Chelsea

Na outra meia final da FA Cup, um confronto extremamente apetecível.

O renascido United com a chegada de Bruno Fernandes defronta os agora “baby blues”.
A equipa de Lampard é uma das surpresas do ano em Inglaterra. O antigo médio britânico resgatou o 4x3x3 com que cresceu enquanto jogador, e deu asas a uma série de jogadores com capacidade técnica e criativa para tornar o Chelsy uma equipa dominante. Jorginho, Gilmour, Mason Mount pensam o jogo, pausam e dão-lhe critério, enquanto na frente os poderosos Willian, Pulisic e Abraham trazem a velocidade e finalização que se traduz em resultados.

O encaixe tático parece garantido, com Solskjaer a deixar de lado o sistema a três centrais, concentrando agora um meio campo poderoso. Matic, Pogba e Bruno Fernandes são monstros na velocidade a que imprimem ao jogo, e em todas as tarefas sejam defensivas ou ofensivas. Na frente o eficaz Greenwood junta-se à velocidade de Rashford e a um renascido Martial que na posição nove encontrou finalmente o espaço ideal para explodir.

Um confronto entre duas equipas com grande capacidade ofensiva, mas evidentes debilidades no sector mais recuado, e também por isso a promessa de um jogo de enorme emotividade.

 

Tottenham vs Leicester

Subiu alguns lugares na classificação a equipa londrina orientada por José Mourinho, ainda assim longe de poder “deslumbrar”. Do outro lado um Leicester ainda em lugares de Champions, mas em queda livre.

A perda de Maddison, mesmo que apenas por alguns jogos e a longa lesão de Ricardo Pereira abalaram por completo a estrutura da equipa de Brendan Rodgers.

Em Londres surgirá em 3x4x3, previsivelmente fechado na sua rectaguarda com uma linha de 5, enquanto espera pelo momento de activar os movimentos do incrível Jamie Vardy. Chegará, porém num momento em que os factores principais que contribuíram para a sua grande temporada se desvaneceu – Confiança e Talento Individual de alguns elementos.

Mourinho deverá voltar a trazer o 4x4x2 a jogo, sistema que lhe garante ocupação do espaço defensivo em todos os corredores. Convite ao sair a jogar da oposição, enquanto Son, Kane e Lucas Moura colocam os olhos no espaço que vai ficando nas costas da defensiva do Leicester.

Não tem sido uma equipa com grande capacidade criativa, mas antes um Tottenham preparado para explorar profundidade e ataques rápidos onde a dupla Kane – Son tem a capacidade de provocar estragos.

Promessa de uma partida competitiva entre equipas cujas classificação importa bastante nas contas europeias.