O treinador e analista desportivo, Pedro Bouças, é o especialista residente da Moosh.pt que semanalmente lança a promoção Desafie o Perito. Estas são as suas escolhas para os jogos das Ligas europeias deste fim de semana.

 

 

Famalicão vs Benfica

Depois de um tremendo tombo Europeu Jorge Jesus terá tirado conclusões e percebido debilidades encarnadas.

Em Vila Nova de Famalicão o Benfica deverá manter o 4x4x2 habitual mas é expectável que aumente a agressividade defensiva tão necessária e que tanta falta fez na Grécia, pela troca de algumas peças. Também uma possível estreia de Darwin Nuñez poderá marcar a partida e fazer aumentar o interesse na contenda.

Com Everton a chegar depois de mostrar Grécia estar acima de qualquer outro colega na sua apetência para jogar em zonas de criação, o Benfica defrontará a equipa de João Pedro que vai parecendo totalmente indefinida pela forma como utilizou a pré temporada para esconder modelo.

O 4x3x3 deverá manter-se inalterável, mas e porque se trata de um plantel totalmente reformulado e com vários jogadores a necessitar de maior experiência competitiva, os encarnados partirão com favoritismo. Que terá de ser comprovado no relvado, contrariamente ao que fez na Grécia.

 

Vitória Guimarães vs Belenenses SAD

A Cidade Berço receberá o primeiro jogo oficial de Tiago Mendes e a expectativa para se perceber não apenas as ideias do Vitória mas o que poderão fazer algumas das valiosas individualidades torna desde logo a partida apetecível.

Tiago montará o Vitória num 4x3x3 oferecendo responsabilidades de criação aos seus interiores (André André e Poha poderão ser as opções iniciais) que baixam para o vértice inferior de cada um dos triângulos de entrada da bola em zonas avançadas.

À sua frente posicionar-se-ão os laterais (Sacko e Jonas Carls) e a capacidade criativa dos extremos do Castelo – Edwards e Rochinha – Estará Quaresma já preparado fisicamente para ajudar?

Do outro lado um B SAD orientado por Petit que chega a Guimarães depois de uma pre temporada difícil. Resultados negativos, soluções testadas a demonstrarem falta de qualidade e um sistema a três centrais que não tem garantido os necessários equilibrios defensivos e que ainda coarcta possibilidade de mais gente na frente.

Ainda à procura de reforçar-se para ser consistente e equilibrado individualmente, a equipa de Petit terá dificuldades tremendas para ser protagonista em Guimarães

 

Bayern Munique vs Schalke

O regresso do encantador Bayern é desde logo feito em competição oficial e marca também o regresso de Leroy Sané à Bundesliga.

Com uma capacidade para construir de nível estratosférico e portanto capaz de ter Alaba, Thiago (ainda sem certeza de que continuará em Munique) e Kimmich a darem início aos ataques criando condições para Gnabry, Muller e agora também Sané receberem em situação de sair para o desequilíbrio ou para finalizar ou para assistir o tremendo Lewandowski, a equipa de Flick parte para a temporada e para a partida não apenas com enorme favoritismo mas com um jogo que apraz seguir.

Ao Schalke chegou recentemente Gonçalo Paciência para integrar a linha de dois avançados do 4x4x2, embora não deva surgir já em jogo na jornada inaugural.

Em Munique apresentar-se-à obrigado a baixar linhas e a procurar juntá-las o suficiente para dificultar criação oponente, com a dificuldade de por tão baixo, ter mais metros para percorrer a cada contra ataque até chegar à baliza adversária. Um jogo entre uma equipa de grande protagonismo e o Schalke de David Wagner que procurará antes de tudo o mais fechar caminhos até à sua baliza.

 

Porto vs Braga

Uma das partidas mais apetecíveis da Liga tem desde logo lugar na jornada inaugural. Um FC Porto que Sérgio Conceição não apresentou ao grande público mas que se percebe que manterá identidade do passado recente.

Com uma dupla de centrais – Pepe e Mbemba – e um médio centro – Danilo, num momento de grande fulgor, pela forma como terminaram temporada, mas também se mostraram na selecção nacional, o “cofre” de Marchesín estará bem guardado. E será por essa tremenda capacidade para comer metros e vencer duelos que o Porto se protegerá no momento defensivo.

Ofensivamente mesmo que mostrando alguns laivos de criatividade aquando do momento em que Corona e Diaz assumem protagonismo, terá na capacidade de explorar a profundidade de Marega e … Taremi armas de difícil controlo pela oposição. O iraniano tem um raro sentido de demarcação no sentido da baliza adversária e poderá ser um dos maiores beneficiados pela definição ofensiva de Corona.

Do outro lado Carvalhal levará ao Dragão uma equipa de Organização elevadíssima, com conceitos defensivos e ofensivos extremamente apreendidos e que dificultarão por certo o processo criativo azul. Na frente poderá perder Paulinho, mas contará com Ricardo Horta entre linhas, mostrando argumentos para fechar o corredor esquerdo no momento defensivo, mas também para ter chegada à frente e capacidade de finalização em organização mas sobretudo em ataque rápido.

O meio campo arsenalista perdeu competência com a saída de Palhinha mas terá em Castro e Fransergio jogadores com capacidade para o duelo e para a protecção à linha defensiva a 5.

Promessas de competitividade, competência e bons recortes técnicos num jogo de grande interesse.

 

Arsenal vs West Ham

O regresso a casa da equipa de Arteta depois de triunfar na primeira jornada no terreno do Fulham e entre temporadas ter vencido Taça de Inglaterra e Supertaça, promete trazer uma equipa “alegre” e “solta”. Confiante, capaz de aumentar ainda mais a velocidade de circulação, as entradas pelas zonas de criação e a qualidade da definição no último terço depois de lá chegado.

Um Arsenal que promete futebol ofensivo de grande recorte, que conta agora com o apoio do central Gabriel no processo de construção, enquanto Xhaka e Elneny servem de referência como duplo pivot no meio, maioritariamente para ser o “tampão” no momento da perda.

Na frente, a chegada de Niles e Bellerín por fora, associada ao trabalho entre linhas e a explorar as costas de Lacazette, Willian e Auba dão soluções velozes para a criação de uma equipa londrina que resgata os seus tempos de futebol mais apaixonante.

Dificilmente a equipa de David Moeyes conseguirá protagonismo maior em Londres. A derrota caseira perante o Newcastle foi um revés, e o 4231 britânico carece de maior capacidade criativa.

Yarmolenko e Felipe Anderson poderão voltar ao onze para conferir essa capacidade ofensiva, e com Declan Rice nas costas o West Ham tenderá a subir a sua prestação comparativamente com a exibição caseira. Contudo, enfrentará um Arsenal num momento importante dos Gunners e também por isso a partida promete emoções fortes.

 

Southampton vs Tottenham

A entrada em falso na Premier League para o experiente Roy Hogdson e para o excitante José Mourinho fez aumentar a expectativa entre o confronto entre Southampton e Tottenham.

Big Mou deverá voltar a apresentar o 4x4x2 em momento defensivo com Dele Ali e Kane juntos na frente de ataque na primeira pressão. O jogo da equipa da casa passará maioritariamente por um resguardo defensivo e expectativa por uma saída rápida em contra ataque que obrigará o Tottenham a assumir a posse e a iniciativa ofensiva desde o início. Momento que requer mais criatividade e trabalho ofensivo entre linhas do que aquele que a equipa de Londres está habituada.

Com Son a explorar a profundidade a cada entrada pelo corredor oposto e Dele Ali a envolver-se com Kane, o Tottenham demonstra nível elevado na zona de definição, mas passará por dificuldades para chegar com bola bem limpa às zonas altas. Já do outro lado a velocidade de de Ings e Adams na frente de ataque poderão ser ameaça à debilidade defensiva de uma linha mais forte a defender espaços curtos que largos.

Mourinho não poderá voltar a perder e o seu regresso à Liga trará um jogo de enorme expectativa.

 

Chelsea vs Liverpool

Confronto de nível estratosférico em Londres com o novo Chelsea repleto de individualidades de grande valia a receber o “rock and roll” de Jürgen Klopp.

Os reds levarão a Londres o seu jogar habitual – Intensidade suprema pela recuperação da posse em linha média, e procura de chegar rapidamente à frente de ataque. Henderson e Keita sempre a procurar ligar o momento da recuperação da posse com a chegada desta a Firmino, o homem que baixa para ligar na profundidade as entradas de Salah e Mané.

O Chelsea de Lampard tem hoje em cima da irreverência e talento dos jovens Mount e Pulisic, a eficiência e tremenda eficácia em zonas altas de Timo Werner e Havertz.

A capital inglesa receberá um dos confrontos mais interessantes pela sua matriz tática – Posse Contra Transição da época. Qualidade Individual, modelos táticos bem díspares e assimilados num jogo que promete emoção e golos!

 

Real Sociedad vs Real Madrid

A Sociedad de Barrenetxea regressa a casa depois do empate fora em Valladolid na primeira jornada e depois de ter sido umas das sensações da temporada passada.

A contratação de David Silva promete compensar a saída de Odengaard, e manter a equipa basca próxima do nível ofensivo do passado.

Uma matriz de jogo apoiado, entradas interiores e grande capacidade de definição em espaços curtos que visam aproveitar a presença do avançado internacional sueco Isak no último terço.

Um jogo de posse que encontrará num Real Madrid dotado com a paciência e virtude de Modric e Kroos também ele uma equipa capaz de esconder a bola por largos períodos, enquanto procura os apoios frontais de Benzema para ligar a velocidade dos alas brasileiros – Vinicius ou Rodrygo, mas sobretudo de Hazard.

O belga partirá para a temporada com obrigatoriedade de trazer mais soluções do que no passado, e é o homem que permite que o jogo ofensivo do Real seja eficiente não apenas em ataque posicional mas ainda mais em ataque rápido.

As bolas paradas e a presença de Sergio Ramos na área adversária configuram também um potencial desequilíbrio ofensivo para a equipa que viaja da capital, e o regresso do campeão mesmo que sem novas entradas é sempre motivo de interesse e expectativa.

 

Leipzig vs Mainz

O regresso à Liga de Nagelsmann depois da excelente imagem deixada na Final 8 da Liga dos Campeões marcará o regresso da equipa “camaleónica” que confunde oposição e estabelece novas rotas ofensivas a cada partida com o intuito de explorar debilidades adversárias.

O regresso ao 4231 deverá ser uma realidade, garantindo presença da criatividade de Dani Olmo entre linhas, mas também a chegada da capacidade finalizadora de Sabitzer ao último terço, e o desequilíbrio individual do extremo Nkunku.

Uma equipa completa em todas as variantes do rendimento – Técnico – Táctico – Físico, que enfrentará o Mainz de Beierloezer, fechado no seu 4x4x2 com primazia total para o trabalho e solidariedade em organização defensiva, mas com capacidade diminuta para sair da teia que a equipa de Naglesmann sempre envolve opositores preparando momento da perda da bola.

Perceber como Nageslmann volta a preparar coletivamente o jogo do Leipzig torna o jogo desde logo como imperdível.

 

Man Utd vs Crystal Palace

O United retoma a competição depois da desilusão que foi a final 8 da Liga Europa. Reforçado com Van de Beek, e com um ataque demolidor pela capacidade de aceleração de Martial e Rashford, à qual se junta a tremenda finalização de Greenwood, o United conta ainda com a participação criativa de Bruno Fernandes sempre protegido pela capacidade de transição defensiva e ofensiva dos monstros Pogba e Matic.

Talento ofensivo à solta que eleva o jogo atacante da equipa de Manchester para um nível arrasador e ao qual falta apenas uma consistência defensiva que as suas individualidades nem sempre possibilitam. E é precisamente pela velocidade de Townsend partindo do corredor direito, mas também de Ayew e Zaha em posições mais centrais que o Palace poderá surpreender.

Pelas características de ambas as equipas fica bem perceptível que somente explorando lacunas defensivas adversárias o Palace poderá incomodar um United também ele tremendo em fase ofensiva.

Oportunidades em catadupta, perigo sobre as balizas e golos são as promessas maiores no regresso do United à Premier League.