O treinador e analista desportivo, Pedro Bouças, é o especialista residente da Moosh.pt que semanalmente irá lançar a promoção do Desafie o Perito. Estas são as suas escolhas para os jogos das Ligas europeias deste fim de semana.

 

Liverpool vs Leeds United

A velocidade e o Pressing de Klopp encontra o toque e a agressividade de Marcelo Bielsa. A Premier League guarda logo para a jornada inaugural um confronto entre técnicos carismáticos, vencedores das duas principais Ligas inglesas na temporada passada.

Bielsa rendeu-se ao sistema com três centrais e tal opção ajudará a controlar no momento da perda da bola, a saída veloz dos trio ofensivo dos reds – Salah, Firmino e Mané – recusando inferioridade numérica no momento mais forte do Liverpool, o Leeds aumenta a sua competência defensiva e criará condições para discutir a partida de forma mais vincada.

Um jogo que se projecta intenso pela recuperação da posse, não fosse essa uma das matrizes táticas mais vincadas de ambas as equipas. O choque, agressividade e procura de saída veloz do Liverpool, poderá encontrar no estilo mais rendilhado do Leeds formas de aumentar o número de contra ataques que terá para resolver no jogo, e esse será um dado determinante para se apurar o vencedor, numa partida de natureza tática imperdível.

 

Fulham vs Arsenal

O dérbi londrino marca o regresso do Fulham ao convívio dos grandes e surge num momento de extrema felicidade para os Gunners e para o seu treinador, o espanhol Arteta.

Depois da conquista da Taça e da Supertaça, o futebol de toque de um 3x4x3 que permite criação sistemática de losangos em forma de linhas de passe e que viabiliza a chegada à frente de forma criteriosa, encontra na linha ofensiva a capacidade de desequilíbrio de Auba, Lacazette e Pépé que suportados pelo duplo pivot do meio campo – Xhaka e Elneny – encontram espaço no modelo para impor a sua verticalidade e capacidade de aceleração no último terço.

Do outro lado um conjunto orientado por Scott Parker, ex médio de nível brilhante da seleção inglesa e que procura resgatar para a sua equipa o estilo de jogo com que nos brindou enquanto futebolista. Uma equipa que procura quebrar com o tradicional futebol directo e físico britânico, mas antes parte do seu 4x2x3x1 procurando chegar criteriosamente à frente, onde Mitrovic, figura que somou 26 golos na época passada, aguarda a criação dos colegas para sentenciar resultados.

Um dérbi e uma matriz tática de bom futebol aumentam a expectativa para o jogo da ronda inaugural.

 

Tottenham vs Everton

Um confronto entre treinadores campeões Europeus marca o início da Premier League, num jogo que ficará marcado também por opor diferentes sistemas.

Mourinho torna a preparar o Tottenham em 4x4x2 no seu momento de Organização Defensiva, mantendo Kane e Dele Alli na linha da frente, conferindo liberdade a Son no corredor esquerdo – a chegada de Højbjerg trouxe mais um médio capaz de ter impacto no centro do terreno pela forma como trabalha defensivamente, e como ofensivamente permite libertar a potência de Lucas Moura, a velocidade de Son e o jogo interior da dupla da frente.

Ancelotti trouxe Bernard para o corredor central, mudou para um sistema a três médios centro – James ainda não deverá subir a jogo – e procurará maior criatividade como forma de dar mais bola para Ricarlison e Walcott poderem definir ofensivamente os jogos. Opções que aumentam competência em Ataque Posicional, sem perder capacidade para acelerar em transição.

Um choque entre duas boas equipas, muito bem orientadas, num confronto que se prevê de enorme competitividade.

 

Valladolid vs Real Socieadad

Primeira partida da La Liga e expectativa enorme para ver como se apresentará a Real Sociedad, uma das equipas que melhor futebol praticou na temporada transacta. Perdeu Ødegaard mas resgatou o génio de David Silva como forma de manter o jogo rendilhado, de construção que visa entradas interiores para poder acelerar o jogo em zonas altas.

Deverá manter o 4x3x3 da temporada transacta, beneficiando do impacto ofensivo do sueco Isak, mas procurando também retirar maior rendimento de Janujaz, num confronto perante um Valladolid organizado em 4x4x2, capaz de retirar espaço em momento defensivo.

A competência e princípios defensivos da equipa da casa tenderá a aumentar dificuldades de criação ao seu oponente e aumentará competitividade da partida. Um confronto entre futebol ofensivo e preparado para triunfar em ataque posicional contra um Valladolid mais pensado para defender e transitar.

 

Valência vs Levante

Confronto entre 4x4x2, num choque entre equipas mais pensadas para aproveitar os momentos de contra ataque do que para mostrarem criatividade em espaços curtos.

O Valência depois da temporada desapontante procurará na forma como explora a velocidade de Gonçalo Guedes e os movimentos e capacidade de finalização de Maxi Gómez, imputar na Liga, mas na recepção ao Levante encontrará uma equipa de matriz tática semelhante, que por dar iniciativa ao adversário proporcionará menos oportunidades para contra atacar mantendo-se mais seguro na sua organização.

O Levante reúne uma linha média de grande capacidade de trabalho e tem na própria disponibilidade defensiva dos seus alas um ponto muito forte – por isso, Campaña, médio centro de origem, ocupa espaços laterais conferindo equilíbrio à equipa.

Um choque entre equipas que precisam de espaço para ser eficientes, mas que se verão forçadas a ter de resolver o jogo sem ele, o que confere à partida, desde logo, motivo de interesse.

 

PSG vs Marselha

A terceira jornada da Liga francesa marca o regresso do PSG à competição doméstica pós presença na final da Liga dos Campeões.

As dúvidas sobre a possível utilização de um onze mais forte que conte com a presença de Mbappé, Neymar e Di Maria fazem aumentar a expectativa sobre uma partida mais equilibrada, onde a componente estratégica e o modelo de André Villas-Boas possa fazer a diferença.

O Marselha apresentar-se-à no Parque dos Príncipes em 4x3x3 com Thauvin e Benedetto na linha da frente. Partindo de uma organização defensiva que procurará retirar espaços entre linhas para uma equipa que em Paris terá forçosamente de se mostrar nos momentos de Contra Ataque, a equipa de Villas-Boas pela fase da própria temporada em que se encontra tem condições para surpreender, mesmo tendo em conta a profundidade do plantel da poderosa equipa da casa.

Tuchel contra Villas-Boas é também um confronto entre treinadores que gostam de ofertar o bom jogo aos seus jogadores e também por isso a partida promete velocidade de execução e de criação.

 

Mónaco vs Nantes

Depois de duas jornadas decorridas, Mónaco e Nantes defrontam-se partindo ambas com quatro pontos sendo apenas superadas na classificação pelo Nice. A equipa de Nico Kovač conta com um ataque dotado de jogadores que trazem variabilidade e competência para jogar em espaços largos, mas também curtos. Contam com o desequilíbrio individual de Gelson Martins à direita, e a potência de Onyekuru à esquerda, enquanto por dentro Golovin e Ben Yedder definem com classe, temporizam e permitem o aparecimento das suas motas no corredor lateral.

Do outro lado a equipa de Christian Gourcuff não tem a mesma valia e qualificação técnica nas suas individualidades, mas transporta para o jogo um rigor irrepreensível no seu 4x4x2 em Organização Defensiva e demonstra uma agressividade ímpar nos momentos sem bola – fecha rápido a bola e os espaços -, e com isso torna-se competitiva e capaz de suster criação adversária.

Uma partida entre duas equipas que prometem equilíbrio, emoção e golos.

 

Villarreal vs SD Huesca

O submarino amarelo está de volta depois de uma época de enorme sucesso coroada com o quinto lugar e acesso europeu.

O 4x4x2 da nova temporada promete emoções fortes e criação de nível elevadíssimo com a chegada do talento de Kubo para formar parelha ofensiva com a inteligência e execução de Paco Alcácer. Com Albiol como garante da coordenação defensiva e um Dani Parejo criativo e capaz de alimentar o último terço onde aos talentosos e inteligentes avançados se junta o poderio físico dos extremos, o Villarreal é uma das equipas que mais futebol ofensivo, marcado pelo toque e velocidade, promete.

Na estreia receberá o Huesca, equipa recém promovida ao escalão principal e que previsivelmente se verá forçada a trocar a matriz ofensiva de outrora por um rigor tático defensivo obrigatório para quem procura sobreviver num tanque de tubarões.

O 4x2x3x1 de Miguel Sanchez Muñoz procurará fechar espaços e tornar-se competitivo pelo cumprir de tarefas defensivas e até pela motivação própria de uma estreia num campeonato maior, faz prever um jogo de grande espetacularidade na abertura da Liga.

 

Eibar vs Celta Vigo

O Celta de Óscar García desloca-se a Eibar depois de uma pré temporada aquém do expectável em termos de resultados mas onde demonstrou todo potencial do seu principal 11. O 4x2x3x1 reúne os traços físicos e capacidade de recuperação da bola de Tapia com o talento e saída para o ataque de Denis Suárez, um criativo que encontra formas de alimentar a definição de Brais Méndez e Nolito nos corredores laterais, mas também os movimentos de ruptura de Yago Aspas, um dos mais refinados avançados de nacionalidade espanhola na actualidade.

O método defensivo da equipa da casa, que se organiza no 4x4x2 clássico, tenderá a fechar espaços e procurar explorar movimentos velozes na frente, sobretudo nos ataques que visem explorar a velocidade do asiático Inui, que partindo do corredor esquerdo tem chegada veloz à frente.

Um confronto entre a procura de um estilo mais apoiado e de invasão dos espaços interiores para posterior procura das rupturas de um avançado temível e um Eibar mais defensivo, mais fechado, procurando maior cinismo – expresso no colocar do seu destino na eficácia – criará menos para tentar marcar mais.

 

CSKA vs Spartak Moscovo

O grande dérbi de Moscovo tem a particularidade de surgir num momento em que o equilíbrio competitivo da Liga é um factor de destaque. O Spartak chega como líder ao grande dérbi, mas apenas com apenas mais quatro pontos que o CSKA que ocupa o quinto posto, seis jornadas decorridas.

Enquanto aguarda a chegada de mais reforços fruto de um investimento forte, Viktor Goncharenko lidera um CSKA que tem no talento do seu “10”, o croata Vlasic, o ponto mais notório e mais capaz de desequilibrar ofensivamente cada partida. O croata cria, finaliza e ainda baixa para construir quando a saída não está a surtir efeito.

Do lado oposto, o líder entrará pressionado com a possibilidade de ceder o seu lugar ao rival Zenit em caso de tropeço. A equipa de Domenico Tedesco apresenta-se em 3x4x3, com a particularidade de na linha da frente se organizar em 1+2, guardando o talento de Bakaev nas costas de dois avançados centro, entregando-lhe a missão de receber e definir no espaço entre linhas.

A competência defensiva que parte dum sistema com cinco defesas e que controla a preceito largura e profundidade, torna a equipa do Spartak uma equipa difícil de bater e fará aumentar a necessidade de se expor no ataque do rival CSKA.

Promessa de um dérbi intenso pela recuperação da posse e competitivo entre duas equipas que para além de rivais ambicionam na presente época chegar aos lugares cimeiros.