Não tem nada que enganar: 6 grupos, 24 seleções, um continente.

A CAN rivaliza com a Copa América (na América do Sul) e a Gold Cup (na América do Norte).

Hoje 15h30
CAN
Costa do Marfim vs África do Sul
1.95 – 3.85 – 3.60

Tem estrelas a dar com um pau, Salah e Mané são dois dos melhores do mundo que se encontram no Egipto para disputar o troféu.

 

GRUPO A

GRUPO B

GRUPO C

GRUPO D

GRUPO E

GRUPO F

Egipto

Nigéria

Tanzânia

África Sul

Tunísia

Guiné-Bissau

Congo

Madagascar

Senegal

Namíbia

Mauritânia

Gana

Uganda

Guiné-Conacri

Quénia

Marrocos

Mali

Camarões

Zimbabué

Burundi

Argélia

Costa Marfim

Angola

Benim

 

EGIPTO

A anfitriã e maior vencedora da prova, é naturalmente a grande favorita ao triunfo final. O Mexicano Javier Aguirre lidera uma equipa que alia experiência ao talento e irreverência.

Sistema Táctico – (4-2-3-1): El Shenawy; Elmohamady, Hegazy, El-Mohamady, Ashraf; Elneny, Tarek Hamed; Salah, Warda, Trezeguet; Mohsen. T: Javier Aguirre

ESTRELA: Mohamed Salah

A SEGUIR: Mohamed Elneny

 

Can can ou Walk Like an Egyptian?

 

NIGÉRIA

As superáguias procuram o tetra na prova e com isso igualar a equipa da casa. Vencedora há três edições atrás, foi com espanto que esteve de fora nas últimas duas edições.
O regresso tem na organização defensiva e na velocidade dos atacantes, o seu ponto mais forte e capaz de guiar os nigerianos ao triunfo final.

Sistema Táctico (4-3-3): Uzoho;  Balogun,  Troost-Ekong, Omeruo, Collins; Ndidi, Obi Mikel; Onyekuru, Iwobi, Musa;  Ighalo T: Gernot Rohr

ESTRELA : Odion Ighalo

A SEGUIR: Wilfried Ndidi

 

ARGÉLIA

Apesar das baixas importantes de jogadores como Ghoulam e Bentaleb, a Argélia consegue reunir um lote de jogadores interessantes, que aliam veterania a irreverência. A primazia pelo jogo ofensivo que tantos golos valem na fase de eliminatórias tornam a selecção argelina uma das mais prometedoras e a seguir.

Sistema Táctico (4x3x3) – M’Bolhi; Attal, Mandi, Benlamri, Bensebaini; Guedioura, Feghouli; Mahrez, Brahimi, Belaili; Bounedjah

ESTRELA: Riyad Mahrez

A SEGUIR: Brahimi

 

SENEGAL

O 442 de Aliou Cissé tem matéria prima para surpreender na CAN, embora não seja o sistema que melhor encaixará a velocidade furiosa de Mané. Com um lote de jogadores talentosos, e capaz de ligar o jogo pelas diferentes fases sem as habituais precipitações africanas, o Senegal afigura-se como um dos candidatos ao triunfo maior na prova.

Sistema Táctico (4-4-2):  Mendy; Sabaly, Sané, Koulibaly, Wagué; Niang, N’Diaye, Gueye, Keita Baldé; Sarr, Mané. T: Aliou Cissé

ESTRELA: Sadio Mané

A SEGUIR: Kalidou Koulibaly

 

COSTA DO MARFIM

Ibrahima Kamara lidera um grupo de jogadores sedentos por provar toda a sua valia também no futebol de selecções. Individualmente a Costa do Marfim é a equipa com mais argumentos em prova, e pela tradicional matriz táctica da CAN onde as emoções imperam, tal poderá ser o suficiente para mesmo desorganizada chegar bem longe na prova.
Sistema Táctico (4-3-3): Gbohouo; Aurier, Traoré, Kanon, Doumbia; Seri, Kessié, Gbamin; Gradel, Kodija, Pepé. T: Ibrahim Kamara

ESTRELA : Nicolas Pepé

A SEGUIR: Franck Kessié

 

MARROCOS

Desde 1976 sem o título maior, 2019 é a grande oportunidade de Marrocos voltar à ribalta. O treinador francês Hervé Renard, trouxe para a equipa do norte de áfrica um estilo de jogo aprazível que explora as melhores qualidades dos seus jogadores. Se sem bola o estilo agressivo e intenso condiciona oposição, é com esta que os marroquinos mais fazem sonhar o seu povo. Ligações curtas, criatividade e chegada ao último terço, onde ai sim, demonstram maiores lacunas. Equipa de posse e dominadora a quem ainda falta maior poder de concretização.

Sistema Táctico (4-4-2): Bono; Saiss, Benatia, Hakimi, Dirar; Amrabat, Belhanda, Ziyech, El Ahmadi; En Nesyri, Boufal. T: Herve Renard

ESTRELA: Hakim Ziyech

A SEGUIR:  Achraf Hakimi

 

TUNISIA

O Francês Alain Giresse conhece como poucos os contornos do futebol africano e as formas de contornar oposição, e é na organização colectiva da Tunísia que residem as esperanças de um país. Embora menos capaz de ombrear individualmente com as outras candidatas, pelo controlo emocional, agressividade defensiva e capacidade para esperar o momento ofensivo sem se descompensar, a Tunísia tem todas as condições para chegar bem longe na prova.

Sistema Táctico (4-3-3): Ben Mustapha; Bedoui, Hnid, Meriah, Ben Mohamed; Sassi, Skhiri, Sliti; Srarfi, Khazri (Khenissi), Msakni. T: Alain Giresse

ESTRELA: Wahbi Khazri

A SEGUIR: Skhiri

 

GANA

O 442 de Kwesi Appiah, baseado numa organização defensiva rigorosa, e exploração de transições ofensivas através de saídas rápidas com Jordan e Ayew, jogadores importantes nos campeonatos Europeus (Palace e Fenerbahce), e a protecção defensiva do “madrileno” Thomas Partney e do “interista” Asamoah, fazem juntar traços individuais a virtudes colectivas. A velocidade de Atsu é também uma constante de desequilíbrios e do grupo F até às fases mais adiantadas, não deverá demorar muito.

Sistema Táctico (4x4x2) Ofori; Kasim, Asamoah, Agbenyenu, Yiadom; Boye, Thomas Partey, Atsu, Andre Ayew; Jordan Ayew, Agyepong. T: Kwesi Appiah

ESTRELA: Thomas Partey

A SEGUIR: Christian Atsu

 

AS FIGURAS DA CAN

Salah

Egipto

Elneny

Egipto

Bakambu

Congo

Mbemba

Congo

Naby Keita

Guiné-Conacri

Ighalo

Nigeria

Musa

Nigéria

Mahrez

Argélia

Brahimi

Argélia

Feghouli

Argélia

Wanyama

Quénia

Koulibaly

Senegal

Mané

Senegal

Pepé

Costa Marfim

Zaha

Costa Marfim

Ziyech

Marrocos

Hakimi

Marrocos

Benatia

Marrocos

Gelson Dala

Angola

Marega

Mali

Khazri

Tunísia

Onana

Camarões

Partney

Gana

Andre Ayew

Gana