Em seis anos, Cristiano Ronaldo marcou 300 golos em 326 jogos, como fizeram as contas vários órgãos de comunicação social.

É claro que antes, a partir do momento em que pisou o relvado de Alvalade, já tinha feito 463 golos em 718 jogos. Coisa pouca, portanto.

Esta semana, depois de soprar as velas, decidiu conseguir a melhor média de golos/jogos em Turim, logo diante à Roma de Paulo Fonseca.

Um bis a piscar o olho ao recorde de Omar Sivori, antigo Bola de Ouro da Juventus, que conseguiu 124 golos.

Portanto, o madeirense precisa de marcar 13 golos nas próximas onze partidas. A ver se consegue. E você, caro leitor, o que fez ou o que anda a fazer com os seus 36 anos?

 

Berlim com -8 graus celsius e Brasil com 33 medalhas

Talvez esteja a aproveitar a neve, porque faz um frio do caneco em certas regiões do mundo.

Por exemplo, o Hertha de Berlim não quer muito saber de temperaturas negativas, não.

A preparar o encontro com o Estugarda, resolveu treinar na neve.

No fim ganhou quem fez o melhor boneco de neve. Ou quem foi capaz de não comer a cenoura.

 

 

No mesmo país, parece que andam por aí umas cabeças congeladas.

Num duelo da segunda divisão alemã entre o Karlsruhe e o Regensburg.

Uma das equipas decidiu não ir para perto da pequena área.

Ou seja, ficou à espera que o batedor do canto batesse, de facto, a bola, para os homens do ataque irem, de facto, para perto da zona de oportunidade de golo.

Conclusão? Não deu em coisa nenhuma e os dois clubes empataram 0-0.

 

 

 

Medalhas roubadas, medalhas limpas

Agora vamos até ao outro lado do hemisfério.

Vá, vamos ao Brasil, não estamos para lições de geografia.

Arthur Nory, ginasta brasileiro de 27 anos, conseguiu recuperar 33 medalhas que tinham sido roubadas da sua casa em São Paulo.

E não eram medalhas do corta-mato da escola básica. A melhor parte desta história é que a polícia conseguiu recuperar tudo, encotnrando uma carta dos assaltantes, que confessaram estar arrependidos.

Aliás, até as limparam.

 

 

 

A frase da semana

«Eu sou um caso raro»

Jorge Jesus regressou esta semana e em grande. Entre várias coisas que disse, entre papéis dramáticos e de coitadinho, o técnico dos encarnados resolveu anunciar ao país que é um caso raro. Argumento que não precisa de ser dito pelo próprio, já que foi descoberto assim que alguém lhe apontou um microfone.

 

Sugestão da semana

“Clubhouse”, nova aplicação de chat SÓ com áudio.

Anda tudo muito irritadinho nas redes sociais, por isso, mais vale irmos para sítios um pouco mais respiráveis.

Só funciona ainda na Apple mas parece ter um efeito bastante prático: só se entra por convite, pode se fazer mute a quem entra, criar salas exclusivas, ser moderador e ouvir outras palestras/conversas/conferências/podcasts.

Aliás, parece que andam a tentar criar ferramentas que mandem embora o discurso de ódio e da ofensa. É experimentar.