Há coisas estranhas a acontecer.

Tiago Dantas foi do Bayern Munique para o Tondela porque “agora é auriverde”.

João Mário, campeão sportinguista, está com um pé no Benfica.

E o Rei dos Frangos foi detido.

Só não se sabe se foi porque pôs pouco ou muito piri-piri. Adiante.

 

Evra à la irmãos Gallagher

Mas mais estranho ainda – e mesmo muito divertido – foi ter visto Patrice Evra, lendário lateral da seleção francesa e do Manchester United, a fazer um vídeo de apoio a Inglaterra.

Óculos vermelhos, cabeleira(quase como um irmão Gallagher), fish & chips improvisados, e cá vai disto: o francês cantou “Praise You”, hit do Fatboy Slim de 1999.

 

 

“A última vez que a Inglaterra ganhou algum troféu, os dinossauros ainda eram vivos”, gritou.

É ver o vídeo do início ao fim. Vale muita pena.

 

Era uma vez um Tarantini

Mas não estão só coisas estranhas a acontecer no futebol.

Há também momentos tristes.

Tarantini diz adeus ao Rio Ave depois de ter sido informado pelo presidente de que não faz parte dos planos da nova época.

«37 dias de silêncio e após 7 dias do início da época o Presidente do Rio Ave Futebol Clube, informou-me da decisão de não fazer parte das escolhas para o plantel. Infelizmente não era este o desfecho esperado e que alguma vez imaginei» 

444 jogos e 39 golos depois, o médio e eterno capitão de 37 anos diz adeus ao clube do coração, e logo quando o Rio Ave desceu para a segunda liga. 13 temporadas. É obra.

 

Martínez, o provocador

Para terminar, falemos de heróis improváveis. E um pouco labregos.

O guarda-redes da seleção argentina, Emiliano Martínez, usou quase todos os meios para defender penáltis:

  • disse a jogadores que já os conhecia
  • fez provocações
  • e gestos sexuais

 

 

Resultou: defendeu três penáltis.

A turma de Leonel Messi vai defrontar o Brasil na final da copa América.

 

Todos pediram aí está ela: Brasil-Argentina na final

 

A frase da semana:

«Queria saber os critérios, estava convencido de que ia ser eu»

O canoísta português Emmanuel Silva não vai ser o porta-estandarte masculino da delegação portuguesa nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Um pouco de mágoa, tristeza e ressabiamento, já que calhou a Nélson Évora e Telma Monteiro a tarefa. Ou então o canoísta tem demasiada vontade de começar já a remar contra a maré. Só que assim não ganha nada. Perceberam? Pronto, de nada.

 

Sugestão da semana:

Saiu um documentário sobre o antigo selecionador grego, Otto Rehhagel, que deu o inesperado título aos gregos em 2004.

“King Otto” é o título do documentário que segue a trajetória do técnico alemão.

Vai estar disponível “nas plataformas digitais”, diz o The Guardian.

É esperar para ver onde estreia, porque é capaz de valer bem a pena, apesar da dor que nos vai provocar a nós, portugueses.