O primeiro campeão de pesos pesados mexicano defende o título pela primeira vez, na Arábia Saudita, na reedição de uma das maiores surpresas na história do boxe.

Eis que chega finalmente a desforra mais aguardada por todo o mundo do boxe.

Andy Ruiz Jr, o mexicano gordinho, medirá forças uma vez mais com o antigo campeão da WBA, IBF e WBO, o super-atleta britânico Anthony Joshua, num dos combates mais aguardados do ano.

Em Junho, num dos resultados mais chocantes da história do boxe, Andy Ruiz, para muitos um desconhecido, nocauteou uma das maiores estrelas do boxe do momento.

Anthony Joshua, o britânico com um físico impressionante e uma figura exemplar dentro e fora do ringue, transparecia a imagem do campeão perfeito, o representante que o boxe almejava, longe das polémicas de boxeurs como Mike Tyson e mais recentemente Tyson Fury.

Do outro lado, Andy Ruiz Jr, o mexicano-americano quem em nada aparenta ser atleta, com o físico idêntico ao de um homem que encontramos num bar a beber canecas de cerveja.

 

 

O combate que tinha tudo para resultar em mais uma vitória para o cartel de Joshua, que continuaria a sua caminhada invicta e seria mais um capítulo da saga de um desporto que teima em não colocar frente a frente os melhores contra os melhores e com a vertente do negócio sempre na base deste entrave.

Afinal não foi bem assim. Mas vamos por partes.

Inicialmente o combate nem sequer estava programado para ser com Ruiz mas sim com “Big Baby” Miller, que acabou por não passar no teste anti-doping ao serem detectadas no seu sistema substâncias proibidas entre as quais EPO – aquela que tramou a carreira de Lance Armstrong.

A 1 mês da data programada foi anunciado que Andy Ruiz seria o substituto encontrado para assinalar o primeiro combate de Joshua nos Estados Unidos e no mítico Madison Square Garden, palco dos combates mais importantes da história do boxe como Muhammad Ali vs Joe Frazier, Evander Holyfield vs Lennox Lewis e Rocky Marciano vs Joe Louis.

Exatamente como na história do Cinderella Man, representada por Russell Crowe no filme homónimo, que retrata a vida do boxeur James Braddock e as dificuldades económicas por que passou durante os tempos da Grande Depressão, que o levaram aos trabalhos como estivador e, consequentemente a colocar o boxe em segundo plano.

Considerado um journeyman em toda a sua carreira, já com 25 derrotas no cartel, Braddock recebeu uma proposta para lutar com o campeão Max Baer, num combate a contar para o título mundial de pesos pesados. Desafiando todas as probabilidades, Braddock conseguiu sair vitorioso do combate e sagrar-se inesperadamente campeão mundial.

 

 

A vitória de Ruiz contra Joshua foi logo equiparada a essa de Braddock, em 1935, e a outras como a de Buster Douglas contra Mike Tyson em 1990 ou a de Lennox Lewis contra Hasim Rahman em 2001.

 

 

Não só Ruiz tornou-se o primeiro campeão mundial mexicano, como fê-lo contra o maior nome do boxe de pesos de pesados da actualidade.

Este sábado os dois enfrentam-se novamente para mais um capítulo da rivalidade inesperada, com o combate a ter lugar em Al-Diriyah, na Arábia Saudita.

O “Clash on the Dunes” vem com o objetivo promocional de igualar dois dos combates mais célebres na história do boxe, nos anos 70, disputados também eles em territórios pouco comuns – o “Rumble in the Jungle” entre Muhammad Ali e George Foreman, no antigo Zaire, e o “Thrila in Manila” entre Joe Frazier e Ali, nas Filipinas.

Se no primeiro duelo os dois entraram no ringue passado 1 mês do combate ter sido acertado, desta vez a desforra ficou marcada logo em Agosto e o tempo de preparação foi longo – não haverá espaço para qualquer tipo de surpresas ou desculpas.

 

 

Se os dois prometiam entrar na pesagem bastante mais leves por forma a ganharem vantagem na rapidez e agilidade, apenas Joshua conseguiu confirmar essa tese.

Ruiz veio ainda mais pesado com 128kg, mais 7kg que no combate anterior. Já Joshua, pesou 107 kg, menos 5kg que no primeiro embate com o mexicano.

 

https://twitter.com/MatchroomBoxing/status/1202947744324829185

 

Em jogo estão novamente os títulos da WBA, IBF e WBO, ficando a faltar apenas o da WBC que está nas mãos de Deontay Wilder.

Falta pouco para sabermos se a derrota de Joshua foi apenas um percalço num percurso brilhante ou se Ruiz veio mesmo para se intrometer na corrida ao título linear de pesos pesados.