Na família Duplantis é normal chegar a casa e ir para o quintal treinar salto com vara.

“É como comer sopa”, disse uma vez Greg Duplantis, pai e treinador de Armand “Mondo” Duplantis. Antigo saltador, tem um recorde pessoal de 5,80m, o que faz dele um dos 25 melhores norte-americanos de sempre na modalidade.

Agora foi suplantado pelo filho.

Armand fez 6,17 metros em Torun, na Polónia, e é o novo dono do recorde do mundo de salto com vara.

Este sueco de ascendência americana, magro de 1m81m e 78 kg, também deve a sua destreza à mãe, Helena Hedlund, antiga atleta sueca do heptatlo e do salto em altura (além de voleibolista).

Se o pai é treinador, é ela quem trata da preparação física.

“Às vezes ele porta-se como uma criança que não quer ir para a cama. Mas a verdade é que ele ainda é uma criança, ainda não amadureceu fisica e mentalmente”, contava em 2017 numa entrevista ao Público.

 

 

Agora cresceu e é um dos maiores talentos da modalidade.

O prodígio sueco possui um talento inato e a estranha virtude de imprimir velocidade na corrida para conseguir elevar-se.

Duplantis cresceu em Lafayette, uma cidade americana de 120 mil pessoas entre Nova Orleães e Houston, no estado da Louisiana, mas representa a Suécia em homenagem à sua mãe e à nação que o recebe nas férias.

Foi no jardim na parte de trás da casa que tudo começou. O pai Duplantis construiu um buraco para a vara, com uma pista, a barra de altura e um colchão para amparar as quedas.

É aí que Armand e os seus irmãos (todos desportistas) passam o tempo livre.

Andreas também salta com vara (tem uma marca pessoal de 5,36 metros), Antoine é jogador de basebol universitário e Johana também é saltadora com vara tendo já alcançando os 3,65 metros com 17 anos.

Mondo Duplantis é a jóia da família. Aos 7 anos já era o melhor do mundo. Aos 10 anos, chegou aos 3,86 metros e aos 15 anos foi proclamado campeão mundial júnior (5,30). Agora chegou aos 6,17 metros. E, dizem os especiaistas, esperam que alcance os 6,20.

 

Antes houve Bubka (e Lavillenie)

Campeão europeu em Berlim 2018 e vice-campeão mundial em setembro passado no Qatar, o sueco já apontava ao recorde do mundo que Bubka superou centímetro a centímetro nos anos 80 e 90.

O ucraniano levou a marca mundial de 5,83 para 6,15, de meeting em meeting, de liga em liga. Seguiu-se o francês Renaud Lavillenie, o último dono do registo com 6,16 metros.