A obra de Antonio Conte desde a temporada transata que prometia algo de especial.

Como quebrar a hegemonia da Juventus, campeã consecutiva em solo transalpino?

Já tínhamos trazido a resposta aqui, no artigo “O Inter vai vencer a Liga porque tem um treinador que é um fora de série que te dá 15 a 20 pontos”.

A opinião era de Antonio Cassano e como se viu, cumprir-se-ia quase como um presságio.

Um ano mais tarde a conquista da Serie A por parte do Inter veio dar razão ao antigo jogador.

 

Inter de Milão. A Conte que Antonio fez para meter a equipa (e os miúdos) a ganhar

 

Uma lição

A obra de Conte é uma verdadeira lição em todos os momentos do jogo.

Ofensivamente, do ataque posicional interpretado por todos os seus elementos de “olhos fechados” tal é a mecanização conferida, até aos contra-ataques que exploram as melhores características de Lukaku.

Tudo parece fazer sentido e encaixar peça por peça num “bem maior” – o coletivo.

Em Organização Ofensiva, uma série de princípios bem identificados por todos:

  • Exploração do Apoio Frontal
  • Identificação do Homem Livre
  • Utilização constante de superioridade e de quem está de frente para o jogo
  • Sobreposição dos Avançados

Com a particularidade de ser o Inter a equipa mais letal em solo Europeu a contornar a pressão adversária.

Na realidade, é quando começa a ser pressionado que vai reunindo condições para matar oponentes.

 

As Individualidades:

LUKAKU

É o homem do Ano. Não apenas no Inter, mas em Itália. Tremendo em todas as fases e momentos do jogo ofensivo.

É a referência para a saída veloz em Transição que tantos golos valeu à equipa de Conte, mas também a referência em Apoio Frontal no Ataque Posicional – Seja nas saídas de pressão, onde a sua ligação com Lautaro, o segundo avançado, é letal, seja mais próximo da grande área servindo de “pivot” para as entradas para finalização dos colegas.

Golos e Criação num ano incrível do temível Avançado belga.

 

LAUTARO

O parceiro de Lukaku, mais especializado nas zonas de criação, leva 17 golos na temporada e ainda mais, um entendimento perfeito com o seu colega de sector que potencia as saídas de pressão, as saídas em Transição, onde juntos formam um dos mais letais contra ataques em solo Europeu, e ainda traz criatividade e capacidade para jogar em espaços curtos.

Lautaro que liga o jogo com qualidade e ainda surge para finalizar, é um dos homens do ano na Série A.

 

NICOLO BARELLA

O médio italiano é o porto seguro do meio campo “nerazzurri”. Com liberdade para se mover na frente de um duplo pivot em ataque posicional, Barella tem a qualidade técnica e velocidade de raciocínio para definir em espaços curtos.

É um pensador com grande capacidade de aceleração, e quando o campo abre, maioritariamente na hora de sair para o ataque de forma rápida, liga a “mota” e a sua condução veloz quebra linhas adversárias até encontrar a dupla de ataque campeã de Itália.

A comparação de que foi alvo – Steven Gerrard – mesmo que abusiva, é definidora do nível a que se apresentou.